Zumbi: Orestes se põe contra feriado

Feriado da Consciência Negra?
Em um recente documentário na TV, um flagelado da catástrofe de Mariana, que perdeu sua casa, sua vila e sua vida na lama, contou que ao usar o vale-alimentação indenizatório para pagar sua compra em um supermercado, naquela cidade, foi ironizado pela moça do caixa, que lhe perguntou: ???Você não pensa em trabalhar????. O que intriga é que essa manifestação preconceituosa partiu de alguém com um padrão de vida muito próximo ao daquela pessoa. Fica evidente que, infelizmente, o preconceito é uma deformação moral comum a boa parte das pessoas de qualquer agrupamento étnico, regional, religioso ou social. Entendo que o preconceito é uma teorização simplista e dissimulada para justificar atos absurdos e até crimes contra a humanidade! A escravidão dos negros africanos no Brasil – capturados por outros grupos étnicos africanos -, são um exemplo de vítimas desse absurdo. Passados mais de 120 anos desse período vergonhoso de nossa história, embora, o racismo – ainda que velado – seja incontestável, o feriado da Consciência Negra é mais uma tentativa de segmentação da nação. São movimentos ligados a partidos de esquerda que, seguindo a cartilha gramsciana, empunham a bandeira da vitimização de minorias. Num país que teve abolicionistas célebres, como Castro Alves, André Rebouças, Joaquim Nabuco e José do Patrocínio, forjaram um herói e seu retrato. Assim como alguém deu a Tiradentes uma imagem semelhante à de Cristo, quando ele teria sido enforcado de barba e cabelo raspados, como se procedia com presos, naquele tempo.Temo que, se entendermos que todos os povos, um dia escravizados ou vítimas de holocaustos em algum tempo, fizerem jus a um feriado, vamos precisar de mais de 365 dias no ano…
Orestes Camargo Neves

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE