Você sabe o que é cybercondria?

?? possível identificar a cybercondria como um problema contemporâneo, advindo do uso errado de informações especializadas, presentes na internet. Na prática, o problema corresponde à hipocondria potencializada pela tecnologia, e pelas características da vida no século XXI. Ou seja, um distúrbio psiquiátrico reconhecido, amplificado pela falta de critério na interação com o mundo virtual somada à condição de isolamento, em que muitas pessoas se acostumaram a viver. Aliando-se à prática irresponsável da automedicação, a cybercondria representa risco real para o indivíduo acometido pelo distúrbio, e para seus familiares, muitas vezes crianças e idosos.

Os hipocondríacos da era digital resolvem estabelecer diagnósticos de forma onipotente. Fazem buscas pela internet e baseiam-se em sintomas, relatos do mundo virtual, informações em exames realizados em momentos diferentes, e experimentação de remédios, para determinar as suas doenças. A pessoa acredita que esta é uma maneira eficiente para solucionar problemas de saúde, e deixa de procurar a ajuda especializada dos médicos. Alguns cybercondríacos vão ao consultório levando o seu diagnóstico definido, e exigem um tratamento avançado para o problema que acreditam ter. E não é raro esses pacientes se recusarem a passar pela avaliação do médico.

Diagnósticos estabelecidos por informações à distância, indicação de ex-pacientes ou amigos, são extremamente arriscados. Evidentemente, o fato de a internet oferecer um conjunto de informações sobre inúmeras doenças – que até podem ter sintomas similares aos que a pessoa sente ou acredita sentir – não pode ser admitido como suficiente para substituir uma criteriosa avaliação médica. E isso, porque a partir de uma análise errada, um mal-estar simples, pode ser interpretado como doença grave.

Apesar de representar perigosa mania nacional, a automedicação é desaconselhável. Ao submeter-se à medicação sem prescrição médica, o indivíduo corre risco de intoxicar-se, ocultar a existência de outro problema não diagnosticado, ou até desencadear doenças de base emocional, como transtorno de ansiedade, síndrome do pânico e depressão.

Tentar classificar doenças apenas por um ou mais sintomas é um grave erro. O mesmo sintoma pode indicar quadros distintos, e que exigem tratamentos diferentes. Portanto, é indispensável que um profissional médico faça a análise do indivíduo, avalie o seu histórico clínico, a sua condição geral e emocional, exames físicos e laboratoriais, entre outros, exigidos conforme a especialidade médica necessária para o tratamento. E tão importante quanto ter acesso ao diagnóstico correto feito pelo médico especialista, é o paciente aceitar o diagnóstico e seguir as orientações indicadas para a sua recuperação.

José Toufic Thomé, médico pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, é Psiquiatra e Psicoterapeuta Psicodinâmico especialista em situações de crises e transtornos da contemporaneidade, Presidente da Unidade Brasil da Rede Ibero-Americana de Ecobioética – Cátedra UNESCO de Bioética e Presidente da Secção Psiquiatria  Crises e  Desastres  da Associação Mundial de Psiquiatria (WPA na sigla em inglês).

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE