Você rói as unhas e isso te incomoda?

Muitas pessoas têm o péssimo hábito de roer as unhas compulsivamente até se ferir e, dificilmente, conseguem inibi-lo, a não ser por uso de medicamentos e outras terapias.  De acordo com estimativas científicas, 19% a 45% da população, oscilando conforme a faixa etária, é roedora de unhas. Atualmente, o que existe no mercado é um tipo de ???esmalte??? que, por ter gosto ruim, diminui a vontade de roer unhas. Ainda assim, há pessoas que roem as unhas com esmalte e tudo.
Pensando nisso, o inventor Paulo Gannam, um roedor de unhas desde criança, desenvolveu um ???Protetor de Unhas para Portadores de Onicofagia???. Trata-se de uma película que reveste as unhas do usuário de forma elegante e discreta, sem causar desconforto algum, pois cobrem apenas as unhas sem incomodar o tato, e pode ser usado por homens e mulheres.
Alguns modelos do invento se propõem a possuir um sistema de pressão sobre a região desejada, com furinhos para permitir maior possibilidade de transpiração. Outros teriam uma base circular de pressão para que o restante do tecido que cobre as unhas seja mais suave, evitando desconfortos numa região maior dos dedos.
Segundo o inventor, o protetor de unhas inibe um hábito autodestrutivo e incentiva a pessoa a começar a identificar quais sentimentos estão envolvidos no momento em que ela deseja roer as unhas automaticamente.
???Você pode me dizer: Mas basta tirar o protetor e fazer a festa com as unhas, detoná-las. ?? verdade, mas este protetor é direcionado mais ao público que está atravessando um momento de dor e forte desejo de encontrar uma forma de parar de roer. Esta é uma forma de ajudar o usuário a manter o compromisso com a mudança de comportamento???, explica.
Gannam informa já ter amostras de seu produto feitas em látex de borracha, mas explica que o produto pode ser feito com outros materiais: ???Fiz os primeiros modelos em látex de borracha, o mesmo usado na fabricação de luvas cirúrgicas. Depois confeccionei artisticamente as peças de látex com tinta acrílica para tecido à base de água que melhor aderiu ao material, mas dá para fazer com poliuretano também???.
O inventor diz estar fazendo mais amostras e estar procurando empresas fabricantes de artefatos elastômeros para fabricar e comercializar o produto, seja para o consumidor final, seja para empresas do setor de cosméticos, moda, artesanato, farmacêutico, no modelo B2B.
Gannam alerta ainda para ter-se o cuidado com o material a ser usado e com a idade a partir da qual crianças poderiam usar. ???Ninguém vai querer ver criança se arriscando a engolir um produto tóxico???. Segundo ele, ou se escolhe um produto composto por material que possa ser ingerido sem problema algum para as crianças, ou se elege um público voltado a crianças com idade a partir da qual já existe a consciência do perigo da ingestão de materiais.
Parceria ??? Paulo está em busca de parceiros para o desenvolvimento de modelos. Com patente concedida em território nacional, o inventor busca negociá-la ou obter parceria com empresas da área de saúde, higiene e cuidados pessoais, ou de peças de silicone e borracha, para realizar testes e industrializar o produto.
Aqui você encontra um vídeo bem legal em que o inventor fala de seu produto:
https://www.youtube.com/watch?v=N6E4TPRXlzM

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE