Ver.s de NO seguem no pé de Leitinho

Os vereadores de Nova Odessa aprovaram a criação de mais uma Comissão de ??tica e Decoro Parlamentar. O alvo de novo é o vereador Leitinho Schooder (PDT), que em abril participou de uma manifestação em frente à casa do prefeito Bill Vieira de Souza (PSDB). Na sessão realizada excepcionalmente na quarta-feira (29) houve a aprovação do parecer da Corregedoria do Legislativo sobre a representação protocolada pelo vereador Avelino Poneis (PSDB).
O objeto da investigação é a conduta de Leitinho na carreata realizada no dia 4 de abril, por ocasião da greve de servidores públicos. Manifestantes passaram na rua onde mora o prefeito, no Jardim Alvorada, e algumas pessoas retiraram sacos de lixeiras, depositando o material na porta do imóvel do chefe do Poder Executivo. A alegação do processo é que o parlamentar se omitiu diante da participação de menores no ato degradante, o que é ilegal.
A comissão foi eleita e será composta por três vereadores: Celso Gomes dos Reis Aprigio, o Celso Concrenova (PSDB); Sebastião Gomes dos Santos, o Tiãozinho (SDD); e Antonio Alves Teixeira, o professor Antonio (PT). Em outras duas representações, pelo comportamento de Leitinho em plenário, houve a formação de Comissões de ??tica e Decoro Parlamentar, resultando na punição de censura verbal e escrita, respectivamente.
Além de matérias jornalísticas, a denúncia foi instruída com um vídeo obtido por equipamento de segurança na residência do prefeito. Conforme o processo, nas imagens é possível observar veículos estacionando em frente do imóvel e algumas pessoas depositando o lixo próximo da porta de entrada da casa. No final aparece Leitinho, que acompanhava a carreata e deixou o local após os atos supostamente atentatórios à honra do prefeito e família.
Também consta a transcrição de uma mensagem de desculpas enviada via celular pelo vereador a Bill. Na representação é alegado que o parlamentar se omitiu ao consentir que crianças participassem do ato vexatório, algo que vai contra o Estatuto da Criança e do Adolescente, além de determinação da Justiça local. A representação de Poneis argumenta que a inviolabilidade constitucional de vereador não alcançaria os atos físicos realizados.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE