Edit

Vereadores em ação SBO. Casas populares e consulta a ‘covideiros’

Nilson quer saber de construção de casas populares

O vereador Nilson Araújo Radialista (PSD), por meio de requerimento protocolado hoje (13), questiona a Prefeitura de Santa Bárbara d’Oeste, a respeito do andamento da construção de moradias populares no Município. O parlamentar destaca que esse é um questionamento constante de diferentes munícipes, uma vez que essas moradias foram anunciadas em 2019, com previsão de entrega para 2021. As obras, no entanto, ainda não foram iniciadas.

No requerimento de informações, Nilson Araújo questiona o motivo de as obras ainda não terem começado e se o projeto executivo já foi elaborado. O parlamentar lembra que, inicialmente, estavam previstas a construção de 196 casas, mas que a CDHU alterou os planos iniciais, decidindo pela construção de moradias verticais (prédios habitacionais). Ainda no pedido de informações, ele questiona qual o prazo estimado pela Prefeitura para entrega de projeto à CDHU e quantas moradias serão contempladas nessa obra. Por fim, o vereador indaga o novo prazo estimado para início e término das construções, assim como se existe a possibilidade desse convênio ser cortado.

Jesus quer consulta médica a recuperados da Covid-19

O vereador Valdenor de Jesus Gonçalves Fonseca, o Jesus (Avante), protocolou, nesta semana, o Projeto de Lei 171/2021, que dispõe sobre consulta médica a todas as pessoas que testaram positivo e se recuperaram da Covid-19 em Santa Bárbara d’Oeste. A propositura garante que esses pacientes tenham o direito de retornar a uma consulta com o médico na UBS (Unidade Básica de Saúde) da unidade mais próxima de sua residência. Para marcar a consulta, o paciente deverá apresentar comprovante do resultado positivo para a Covid-19, comprovante de endereço e cartão do SUS (Sistema Único de Saúde).

Na justificativa do projeto, Jesus afirma a importância das pessoas que testaram positivo para a Covid-19 serem acompanhadas após a recuperação por um profissional médico. “Ao constar positivo o teste, esses pacientes são orientados a ficarem isolados. Mas passando este isolamento, quando eles melhoram, não têm acompanhamento médico. Caso elas queiram passar pelo médico para ver como está sua saúde, têm de passar pelo processo de agendamento, que muitas vezes é demorado”, afirmou Jesus, ressaltando que a Covid-19 deixa sequelas e consequências.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE