Vereador ‘vai pra cima’ e quer saber de substância na água da cidade

O vereador Wladiney Pereira Brígida, o Polaco (PL), encaminhou esta semana um requerimento para diversos órgãos reguladores e de fiscalização pedindo informações sobre a qualidade e potabilidade da água fornecida à população em Nova Odessa. O parlamentar quer saber mais detalhes da presença de algumas substâncias, conforme relatório de ensaio da Coden Ambiental.

O requerimento foi aprovado na sessão da Câmara realizada na segunda-feira (13), solicitando informações aos órgãos de fiscalização Ares-PCJ e Cetesb, ambas sediadas em Americana, ao Centro de Vigilância Sanitária (São Paulo) e ao Siságua (Sistema de Informação de Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano), no Ministério da Saúde, do Governo Federal, em Brasília/DF.

No dia 19 de junho, antes de reassumir uma cadeira na Câmara, Polaco protocolou requerimento na Coden Ambiental questionando a qualidade da água, devido a informações divulgadas em relatórios de ensaio de 2019 e 2020, elaborados pela empresa Sevenlab Ambiental e disponíveis no site da Coden. A ação foi motivada pela presença de alguns produtos nas amostras analisadas.

Segundo o vereador, foram constadas as substâncias Aldicarbe, Aldicarbesulfona e Aldicarbe (inseticida, acaricida e nematicida ), além de Mancozebe (fungicida e acaricida ) e bactérias heterotróficas. “A presença desses produtos na água gerou receio de uma possível contaminação e prejuízos para a nossa população”, descreve Polaco.

Em resposta aos questionamentos apresentados, a direção da Coden Ambiental informou a Polaco que a água tratada de Nova Odessa “atende a todos os parâmetros de potabilidade definidos na Portaria de Consolidação nº 5, de 28 de setembro de 2017, do Ministério da Saúde”. A companhia de saneamento alegou que houve “equívoco” por parte do requerente na interpretação dos resultados.

Informou, também, quanto ao resultado das bactérias heterotróficas, que no dia da amostragem (nº 3065/2020), realizada pela Sevenlab, a Coden realizou em paralelo análise de contagem de bactérias heterotróficas da mesma amostra coletada pelo laboratório particular. A informação é que o resultado obtido pela Coden Ambiental constatou a ausência dessas bactérias.

Considerando a divergência, a concessionária solicitou à empresa contratada uma recoleta, constatando-se que a amostra estava em conformidade com o Anexo XX, da Portaria de Consolidação nº 5, de 28 de setembro de 2017, no que se refere a contagem de bactérias heterotróficas. “Estamos notificando os órgãos pra ter certeza se a água de Nova Odessa é potável e de qualidade boa”, conclui Polaco.

 

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE