RMC. Vendas no varejo passam por nova queda de 22,5%

Com a restrição do funcionamento do comércio na Região Metropolitana de Campinas (RMC) desde o início da pandemia provocada pela Covid-19, o faturamento dos estabelecimentos que trabalham com varejo tem apresentado frequentes quedas, quando comparado ao mesmo período do ano passado. A maior parte das lojas tem conseguido realizar negócios basicamente pelo incremento das vendas pela internet. O e-commerce continua sendo o grande destaque para a evolução do comércio digital que, acoplado à prática do delivery motivado pela pandemia, expandiu as vendas em 40% na comparação junho/2020 x junho/2019. “Essa dinamização do e-commerce é a maior contribuição que a pandemia pode dar ao comércio digital, pois a expectativa para julho é de que a quarentena continue o que projeta um mês ainda negativo para o comércio varejista em Campinas e Região”, analisa do economista Laerte Martins, diretor da ACIC.

Por ter sido essa possibilidade, nos últimos meses, junto com o drive-thru, de comercialização de produtos pelos seus associados, a ACIC passou a disponibilizar uma plataforma gratuita que permite a inclusão também de pequenos e médios empresários no universo digital, imprescindível para os negócios durante a pandemia, mas que ultrapassará o momento de crise econômica, gerada pela Covid-19. Desenvolvida em parceria com a MarketUP, a ferramenta permite a criação de loja virtual gratuita, com layout personalizado de empresa e com toda estrutura necessária para que os empresários possam cadastrar seus produtos, integrar os meios de pagamento e o frete, por exemplo. A plataforma também auxilia na organização e no controle dos processos internos, como estoque, finanças, emissão de nota fiscal, contas a pagar e a receber, emissão de relatórios e gerenciamento de serviço de entregas (delivery), entre outros.

Faturamento em queda

O faturamento do comércio varejista vem caindo. Com base nos dados do Serviço Central de Proteção ao Crédito (SCPC) de junho de 2020, a avaliação em função do nível de faturamento feita pelo Departamento de Economia da Associação Comercial e Industrial de Campinas (ACIC), demonstra que o varejo de Campinas e região apresentou uma queda de 22,5% em junho de 2020, quando comparado ao mesmo mês de 2019. No entanto, junho teve um crescimento de 17,9% se comparado a maio de 2020, mesmo considerando no período uma inadimplência 19,84% maior.  Na avaliação junho/2020 x junho/2019 a elevação da taxa de inadimplência foi de 3,16%.

Nas vendas físicas positivas continuam figurando os Supermercados e Hipermercados, com crescimento de 14,9%. Móveis, eletros e lojas de departamentos também tiveram resultados positivos com 3,5% de aumento nas vendas e material de construção com 20,1%. Vários são os setores que tiveram perdas no faturamento. As vendas no Turismo e Transportes caíram 74,5%; nos salões de beleza 60,5%; nos bares e restaurantes, 58,2%; no setor de vestuário, 45,7%; na educação, comunicação e diversão 31,6%; nos postos de gasolina 31,25%; nos  serviços de autopeças 8,1% e, nas drogarias e farmácias, onde o faturamento vinha subindo até então, a queda foi de 3,48%,

A movimentação financeira em junho, em Campinas, foi de R$ 870,6 milhões, contra R$ 1,111 bilhão em 2019, representando um prejuízo de 21,65%. Na RMC foram movimentados R$ 2,097 milhões este ano, contra R$ 2,645 bilhões no ano passado, registrando uma diferença percentual de 20,71%.

Semestre

Na avaliando de janeiro a junho de 2020, as vendas no varejo de Campinas e região acumularam uma perda no faturamento de R$ 3,301 bilhões, cerca de 22,5% em relação ao mesmo período de 2019. Em Campinas, a perda no faturamento chega a R$ 1,417 bilhões, ou cerca de 22,3% em relação aos seis primeiros meses do ano passado.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE