Varejo fecha 1o semestre com aumento de 22% nas vendas

No primeiro semestre deste ano, o varejo paulista apresentou um aumento de 22% nas vendas, de acordo com a FCDLESP (Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Estado de São Paulo). O balanço realizado pela entidade, com a participação das principais CDLs do Estado de São Paulo, aponta que o setor varejista mostra sinais de recuperação e segue otimista para o segundo semestre.

Segundo os lojistas, no mesmo período no ano passado, os principais desafios dos varejistas foram causados pelas fases mais restritivas do Plano São Paulo – redução no horário de funcionamento e capacidade do local, que impactaram diretamente o volume de vendas que, consequentemente, apresentaram um baixo índice. Já neste ano, a maior flexibilização do estado nas medidas possibilitou um cenário mais confiante.

Mesmo com boas perspectivas, a entidade alerta que o setor ainda enfrenta dificuldades para se recuperar e tentar equilibrar o volume de vendas em comparação ao ano de 2019. A insegurança do consumidor na hora de comprar, aumento da inflação e incerteza no cenário da pandemia foram os principais entraves para o varejo.

De modo geral, segundo o levantamento da FCDLESP, o segmento que ainda enfrenta mais dificuldades na recuperação são os bares e restaurantes – duramente afetados pelas medidas do Plano SP. Em paralelo, o setor que mais mostrou avanços é o de vestuário e calçados.

“O atual momento que o varejo vive foi refletido no percentual de vendas do Dia dos Pais. Com menos restrições, o comércio gerou mais possibilidades de venda, e a data, considerada uma das mais importantes do segundo semestre, demonstrou bons resultados, o que gera um sentimento otimista nos lojistas”, explica o presidente da FCDLESP, Mauricio Stainoff.

 

Expectativas 

Para um segundo semestre positivo, as CDLs da região metropolitana da cidade, interior e litoral relatam que manter os estabelecimentos abertos é essencial para que as datas comemorativas voltem a apresentar um bom desempenho de vendas e possam ajudar o varejo na possível retomada da economia.

“O varejo tem apresentado bons índices, o que ajuda na recuperação. Com maior flexibilização e avanço na vacinação, esperamos que até o final do ano, as vendas se equilibrem com 2019. Neste momento de retomada, os estabelecimentos devem continuar seguindo os protocolos de segurança e garantindo a confiança do consumidor, para que a retomada aconteça, na prática, de maneira efetiva”, finaliza Stainoff.

 

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE