Uso de cartão de crédito de supermercados sobe 33%

Nos três primeiros meses deste ano, mesmo com o cenário de pandemia avançando e o pagamento do auxílio emergencial indefinido pelo Governo Federal, a DMCard conseguiu manter o seu ritmo acelerado de crescimento. O fenômeno da busca pelo cartão de crédito como aliado, principalmente o private label, é comprovado ao se observar a variação no número de propostas recebidas, ou seja, novos clientes em busca de crédito.

No primeiro semestre de 2020 foram 353.694 novas propostas, total que no mesmo período deste ano chegou à marca de 470.674, um aumento de 33% e um novo recorde para a empresa. No primeiro trimestre, os portadores dos cartões DMCard movimentaram R$ 870 milhões em compras pelo país. O montante representa um crescimento de 29% se comparado ao mesmo período de 2020, quando o valor em compras no crédito gerido pela DMCard foi de R$ 676 milhões, o que já era um recorde para janeiro, fevereiro e março.

Além disso, o resultado alcançado pela instituição financeira também merece atenção, pois quase se igualou ao valor movimentado em pagamentos realizados no 4º trimestre de 2020, que foi de R$ 873 milhões. “Os últimos três meses do ano tradicionalmente formam o período de maior movimentação no varejo devido ao período de festas, pagamento de bônus e 13º salário pelas empresas.  Além disso, 2020 ainda contava com o pagamento do auxílio emergencial às famílias de baixa renda impactadas pela pandemia”, explica Sandra Castello, Diretora de Marketing e Pessoas da DMCard.

Mesmo sem auxílio o cartão ainda foi um aliado do consumidor 

Desde o ano passado, a DMCard entrou no setor de cartões de crédito bandeirados com a Mastercard. Contudo, representando apenas 4% dos cartões ativos, a principal ferramenta da instituição para disponibilizar crédito ainda é o cartão de loja, o private label, principalmente em supermercados, segmento no qual a empresa é líder há anos. Sandra explica como esse business core e o atual cenário econômico desafiador foram os fatores que impulsionaram o crescimento.

“A pandemia potencializou um cenário econômico que já se mostrava difícil há alguns anos. Um fenômeno que tem empurrado consumidores, principalmente das classes mais baixas, para o cartão de supermercado para conseguirem abastecer seus lares. Esse comportamento, aliado às nossas ações de gestão rápidas e precisas, possibilitou sustentar a nossa média de crescimento e nos estimulou a manter nossos planos de lançamentos de novos produtos sem nenhum atraso”.

A executiva também fala sobre a dificuldade de acesso ao crédito em momentos de crise econômica como a que passamos. “O cenário econômico e o risco de inadimplência já traziam cada vez mais dificuldade de acesso ao crédito tradicional. Com a pandemia, somamos a esses problemas a diminuição de poder aquisitivo ocasionada principalmente pelo lockdown. Para a população de baixa renda e para aquele consumidor ainda desbancarizado, o cartão de loja teve um papel importante na manutenção do consumo doméstico básico”.

Cresce a busca  também para acerto de dívidas

“Essa busca pela segurança financeira, de ter um crédito à disposição para emergências, também pode ser observada no aumento do número de consumidores em dívida buscando realizar acordo para pagamento”. Destaca Sandra, lembrando que, os que já possuem o cartão, se preocuparam em mantê-lo ativo.

No primeiro semestre de 2020 foram mais de 268 mil acordos realizados, o que já era um salto, uma vez que representa um crescimento de 33% ao ser comparado com o mesmo período de 2019. Durante o ano passado, os números de novos acordos continuaram altos no primeiro semestre e começaram a ter uma leve queda no segundo, quando a pandemia começou a se estender mais do que era previsto e o efeito no orçamento familiar passou a pesar no bolso.

Em 2021, essa busca pelo pagamento de dívidas com a DMCard começa a retomar um ritmo de crescimento. No primeiro trimestre chegou a um total de 287.518 acordos, o que representa um aumento de 7%.

Assim, a DMCard faz sua parte nesse momento tão delicado do Brasil, de crise sanitária, por conta da pandemia que se reflete em crise econômica. De um lado oferecendo crédito, para aqueles que precisam continuar consumindo, e também facilitando as negociações para os inadimplentes.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE