Uma tragédia sobre a arte da comédia

Em uma sociedade em que cada vez mais todos querem falar e poucos parecem querer ouvir, o filme “Middle Man”, de Ned Crowley, é um universo de ricos pontos de partida para pensar, repensar e “tripensar” por que (compensar frustações? reconhecimento?) e por quais motivos (dinheiro? status?) as pessoas buscam o sucesso ??? e são capazes de tudo para isso.

Na obra, Jim O’Heir interpreta brilhantemente uma pessoa comum que, amante da comédia, após a morte da mãe, resolve pegar a estrada e investir no sonho de ser comediante em Las Vegas. Tudo se complica quando dá carona a Hitch (ironicamente, “pegar carona”, em inglês), um diabólico Fausto, a quem o protagonista vende a alma.
Assim são realizados diversos assassinatos. O fascinante é que o comediante fracassa quando sobre ao palco com suas piadas antigas, mas conquista o público cada vez que conta como participou de diversas mortes e tentou esconder os corpos, inclusive serrando partes deles. Fica o ensinamento de que quanto mais verdadeiro o material a ser trabalhado pelo artista, melhor.
As reviravoltas do roteiro são completadas com as camisas sujas de sangue do comediante, o uso dos clássicos óculos e sobrancelhas de Groucho Marx e as referências Charles Chaplin, principalmente à sua confusa vida sexual.  Embora tenha a comédia como tema, o filme é uma tragédia da solidão e da busca inglória pelo sucesso de quem não tem talento para merecê-lo. Simplesmente brilhante!
Oscar D’Ambrosio é jornalista pela USP, mestre em Artes Visuais pela Unesp, graduado em Letras (Português e Inglês) e doutor em Educação, Arte e História da Cultura pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e Gerente de Comunicação e Marketing da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE