Tributo a Freddie Mercury

Num tempo em que a medicina prolonga a nossa vida e até se fala em imortalidade, cabe refletir como a arte faz, de fato, as pessoas viverem eternamente. O filme ‘Bohemian Rhapsody’, dirigido por Bryan Siger, é uma prova disso. Seu tributo à banda Queen, e especificamente ao cantor Freddie Mecury, emociona.

O ator Ramil Malek encarna o artista de tal maneira que parece impossível acreditar que ele já tenha morrido. E não se trata de um filme laudatório apenas, pois a personalidade controversa do vocalista inclui seu temperamento forte, vaidade exacerbada e envolvimento com bebida e drogas.
No entanto, o que fascina, além da biografia, é a arte. E o filme mostra os principais sucessos da banda, enfatizando as soluções ousadas em termos musicais e de duração de faixas, por exemplo, como os célebres 6 minutos da música que dá título ao filme, quando as rádios no máximo tocavam singles de 3 minutos.
O difícil relacionamento entre os quatro integrantes do grupo é um dos pontos altos, assim como o show Live Aids, em Londres, em 1985. O mais importante está em cristalizar um legado, em que a apresentação no Rock in Rio, também naquele ano, foi um marco. Incongruências cronológicas à parte que o filme apresenta, pela arte que é mostrada, fica claro que a banda não morrerá jamais. Que assim seja!
Oscar D’Ambrosio é jornalista pela USP, mestre em Artes Visuais pela Unesp, graduado em Letras (Português e Inglês) e doutor em Educação, Arte e História da Cultura pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e Gerente de Comunicação e Marketing da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE