Técnico Sidney Moraes: “A base não joga, faz resultado”

Jogador nascido no Morumbi, ali no Portão 6, onde morava. Hoje técnico, Sidney Moraes entende que a nova geração sofre com o trabalho realizado nas categorias de base e, dentro desse contexto, cria-se um caminho sem volta.

“São muitos campeonatos na base e o treinador não pode fazer jogador, precisa fazer resultados. Antes, a ideia era formar atletas para chegar com 18 anos e ter cinco ou seis pra subir. Agora precisa de títulos. E, por trás, uma família que sonha com isso. Então, o garoto vira uma aposta”.

Sidney é de uma época em que a estrutura era menor, mas a régua da qualidade estava lá em cima. Sua formação foi ao lado de atletas como Fabiano, Fábio Aurélio, França, Edmilson, seus contemporâneos. “Se profissionalizou bastante, melhorou a condição para que possam crescer, com muito mais oportunidades no aspecto treinamento, campo, trabalho. A gente treinava na terra, mas vivenciar grandes jogos, já que morava no Morumbi, ajudou bastante. Minha geração era de qualidade técnica apurada”.

Para o treinador, o trabalho da base dos clubes do futebol brasileiro deixa a desejar e daí o não aparecimento de craques. “Muitos treinadores de Youtube não deixam o garoto desenvolver. Não é ficar falando pro menino, é deixar que ele faça, se vire numa jogada. Isso fazia a diferença”, explica o técnico, que foi comandado por Dario Pereyra, entre outros, nas categorias de base. “Hoje surgem bons jogadores sim, mas nenhum talentoso, craque incomparável, como Ronaldinho Gaúcho, Rivaldo, Zico”.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE