Veja tecidos recomendados pela OMS para a produção de máscaras

A Organização Mundial da Saúde (OMS) atualizou recentemente as orientações para o uso e a produção das máscaras de pano para a proteção contra o contágio pelo novo coronavírus. Entre as recomendações estão a ampliação das situações em que o item deve ser utilizado para prevenir a disseminação da doença e quais tecidos devem ser usados na fabricação.

Deste modo, todas as pessoas que residirem em locais com ampla transmissão da Covid-19 e que não exista a possibilidade do distanciamento social devem usar máscaras sempre que saírem às ruas. Cidadãos com 60 anos ou mais e médicos, enfermeiros e outros profissionais que trabalham em hospitais devem usar a versão médica das máscaras, já que estão mais expostos à doença.

Além disso, as máscaras precisam conter, no mínimo, três camadas de tecidos diferentes. Na parte externa, o pano tem que ser resistente à água, como o poliéster. No meio, é importante que a camada haja como um filtro, e pode ser feita de um material sintético, como o polipropileno ou o algodão. Por fim, o tecido mais próximo à boca deve absorver bem a água, como o algodão.

Para aumentar a demanda do material, as fabricações dos modelos de pano foram expandidas e implementadas em indústrias de produção de roupas, que assim puderam seguir com a linha de produção, mesmo diante do coronavírus, como as de lingerie e outras peças de roupas femininas.

“Estamos cuidando da saúde para que as pessoas possam evitar o contágio pelo coronavírus, com a esperança de que a pandemia passe logo e possamos retornar às nossas atividades normais. Também esperamos que a economia volte a funcionar em breve”, afirma a empresária Lúcia Iório, da Lingerie Lindelucy, que idealizou a campanha de produção dos materiais.

Ao todo, há 20 fábricas de lingerie de Juruaia, cidade localizada em Minas Gerais. Em outros locais do país, a iniciativa se repete. No Paraná, cerca de dez mil trabalhadores, espalhados por 150 indústrias, produziram as máscaras compradas pelos governos federal e estadual e pelas prefeituras.

“Ocupamos nossa linha para produzir as máscaras em um momento importante para a sustentabilidade da nossa empresa e dos empregos dos nossos 20 colaboradores”, comenta Marcelo Surek, proprietário da Decelo Malhas, indústria de pequeno porte em Curitiba que participou da produção.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE