Sumaré: recuperado de Covid reclama dos ônibus da EMTU

O vereador Silvio Coltro (PL), que ficou 40 dias internado por conta do novo coronavírus (Covid-19) em Sumaré e depois retornou às atividades na Câmara, encaminhou moção de repúdio contra a EMTU (Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos de São Paulo), devido a atrasos e superlotação em linhas que vão do município sumareense até a Unicamp.

Na moção, o vereador afirma que foi procurado por inúmeros munícipes que pediram providências pelo longo período de espera para embarque e desembarque nos ônibus da empresa. A reclamação se refere às linhas 652, que liga o bairro João Paulo II à Unicamp, e 653, que liga a Rodoviária de Sumaré ao mesmo destino, passando por outros bairros do município.

Conforme a propositura, por conta da pandemia, a tabela de horários divulgada pela empresa para o trajeto apresenta lacunas entre os horários de saída, chegando a 3 horas, o que causaria excesso de lotação nos ônibus, já que é expressivo o número de pessoas residentes no município de Sumaré que faz tratamento e retira medicamentos na Unicamp.

Coltro cita a ausência de cobradores nos veículos da EMTU. “As funções são acumuladas pelo próprio motorista que dirige o ônibus e ao mesmo tempo cobra, faz troco, preenche, destaca e confere os bilhetes de passagens, dividindo, assim, a atenção na direção do coletivo com serviços estranhos à sua competência com sérios riscos à segurança dos passageiros”, pondera.

“A EMTU é uma empresa controlada pelo Governo do Estado, que presta serviços de transporte público entre municípios da Região Metropolitana de Campinas, e que, com base no Código de Defesa do Consumidor, tem a obrigação de promover a adequada e eficaz prestação de seus serviços. É inadmissível”, lamenta o vereador.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE