Sérgio Moro libera delação de Palocci

O juiz federal Sergio Moro levantou o sigilo de parte da delação premiada do ex-ministro Antonio Palocci nesta segunda-feira (1º/10), afirmando não haver risco às investigações com a liberação.
No trecho liberado, Palocci “detalha como se dava o loteamento de cargos, especificamente na Petrobras, para fins de arrecadação de recursos financiamento de campanha”, diz o documento.
Entre vários outros pontos, o ex-ministro afirma que participou de uma reunião, no início de 2010, na biblioteca do Palácio do Alvorada, com o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a então candidata à Presidência Dilma Rousseff, e o então presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli.
Segundo o relato, na reunião Lula “foi expresso ao solicitar do então presidente da Petrobras que encomendasse a construção de 40 sondas para garantir o futuro político do país e do Partido dos Trabalhadores com a eleição de Dilma Rousseff, produzindo-se os navios para exploração do pré-sal e recursos para a campanha que se aproximava”.
Lula teria encarregado Palocci de gerenciar a propina a ser gerada desse negócio, que deveria ser usada na campanha de Dilma para a Presidência da República, relatou o delator.
Palocci ainda afirma que as campanhas do PT à Presidência de 2010 e 2014 custaram R$ 600 milhões e R$ 800 milhões, respectivamente, valores bem superiores aos declarados pelo partido à Justiça Eleitoral.
Além disso, disse que Lula tinha conhecimento de casos de corrupção na Petrobras ao menos desde 2007, quando teria chamado Palocci para comunicá-lo de que estava ciente de crimes na empresa. Lula teria se mostrado irritado e surpreso diante de Palocci, o que, segundo o delator, era um “comportamento comum do ex-presidente para testar os interlocutores sobre seu grau de conhecimento e o impacto de sua negativa”.
Segundo Palocci, apesar do diálogo, Lula não tomou medidas posteriores para tirar os diretores mencionados por ele dos cargos ocupados.
Em troca da sua colaboração, Palocci, que já foi condenado a 12 anos e 2 meses de prisão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, terá a pena reduzida em dois terços, além de pagar uma multa de 35 milhões de reais.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE