SP tem déficit de 587 delegados

A Polícia Civil de São Paulo tem um déficit de 587 delegados em todo o Estado, segundo dados fornecidos pela Delegacia Geral de Polícia Adjunta, órgão da Secretaria de Segurança Pública, a requerimento de informação da deputada Márcia Lia. O documento foi encaminhado à Pasta no mês de junho para questionar a contratação de candidatos aprovados em concurso de 2013.

Segundo os números divulgados pela Assistência Policial Administrativa, os dados que apontam o déficit de delegados no Estado foram verificados no dia 04 de julho e correspondem a 17% das vagas da carreira em São Paulo. Ao todo, são 3.463 postos, conforme determina Lei Complementar 1152/2011.
Ainda segundo dados da Secretaria de Segurança Pública, mais da metade das vagas hoje existentes na carreira ??? exatamente 332 ??? foi aberta entre setembro de 2013 e 01 de julho de 2016 por conta da aposentadoria dos titulares.
“O número de vagas abertas para delegados em todo o Estado é muito grande e significativo, à medida que vemos crimes sem solução e profissionais da carreira se dividindo entre delegacias de duas ou três cidades e ainda fazendo plantões nos finais de semana. ??, inicialmente, um desgaste para o profissional e, depois, um ponto para a criminalidade, porque esse sistema compromete a investigação dos casos”, observa a deputada Márcia Lia.
O último concurso para a carreira de delegado do Estado de São Paulo foi aberto há 3 anos (processo 3997/2013) com a proposta de preencher 129 das então 255 vagas. Ao final do processo, foram considerados aptos 285 candidatos – 50 foram convocados em 08 de março de 2016, dos quais um não tomou posse e o outro pediu exoneração durante o curso técnico de formação. Foram preenchidas, assim, 48 vagas. Depois disso, não houve mais convocação para os demais 81 postos previstos no edital.
O requerimento de informação da deputada questionou ainda sobre a previsão de nomeação de novos aprovados e sobre a possibilidade de se estender o prazo de vigência do concurso ???de dois anos, prorrogáveis por mais dois. Mas, essas decisões, segundo a SSP, “dependem de critérios de conveniência e oportunidade, de acordo com a discricionariedade” do governador Geraldo Alckmin.
“Mais uma vez nos deparamos com um concurso aberto, vagas disponíveis e profissionais à espera da convocação. O Estado precisa agilizar esse processo e trabalhar pela regulamentação das contratações de funcionários públicos. Já passou da hora de se organizar os certames e levá-los a sério. Hoje, como tudo é feito, os concursos públicos parecem máquinas caça-níqueis, que deixam os candidatos apenas alimentando a expectativa de ter uma carreira pública, estável”, observa a deputada, que apresentou este ano projeto de lei que regulamenta todas as etapas de realização de concursos no Estado de São Paulo.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE