SM divulga pagamentos à Associação Pró-Saúde

A Prefeitura de Sumaré divulgou nesta terça-feira (06)e, o cronograma de pagamentos à organização social Associação Pró Saúde pelos serviços de atendimento médico prestados à Rede Municipal de Saúde. Pelo cronograma, que já foi informado ao Sindicato dos Médicos de Campinas e Região, a Prefeitura vai repassar à empresa, até o final do ano, mais R$ 2.758.000,00. Parte deste valor, totalizando R$ 258.000,00, já foi inclusive depositada no último dia 2.
Serão depositadas mais duas parcelas de R$ 500 mil cada, nesta e na próxima semana (que terminam nos dias 9 e 16), e mais duas parcelas de R$ 750 mil cada, nas semanas que terminam nos dias 23 e 30 de dezembro.

Veja mais em: Pró-Saúde emite nota sobre pagamento
O cronograma foi estabelecido pela Secretaria Municipal de Finanças e Orçamento, com aprovação do Gabinete da prefeita Cristina Carrara, e repassado à Secretaria Municipal de Saúde, à direção da empresa prestadora dos serviços médicos e à entidade de classe regional.
Em reunião realizada recentemente entre as três instituições, ficou definido que tais valores seriam utilizados pela empresa, prioritariamente, para o pagamento de seus médicos (que desde setembro reclamam de atrasos salariais por parte da Pró Saúde).

Este cronograma é baseado no atual fluxo de caixa (receitas) da Municipalidade e seu comprometimento com todas as prioridades da Prefeitura (incluindo o pagamento dos servidores municipais e dos serviços essenciais em áreas como Saúde e Educação).

A Administração Municipal salienta novamente que os pagamentos quinzenais realizados pela Prefeitura de Sumaré à Associação Pró Saúde jamais foram “cortados”, como foi erroneamente informado por terceiros.

Neste momento, por exemplo, 100% dos serviços prestados pela empresa ao Município em agosto, cujas cobranças foram emitidas em setembro, estão quitados. Os novos valores já são referentes aos serviços prestados a partir do início de setembro, cujas cobranças foram emitidas a partir de outubro e que já passaram pelo processo mensal de conferência/auditoria de cada nota, que visa confirmar o número de atendimento efetivamente prestados pela Pró Saúde.

Além disso, tais pagamentos sempre estiveram muito aquém do prazo máximo estabelecido pela própria Lei de Licitações (de 90 dias), durante o qual o prestador de serviços ao órgão público deve manter integralmente o atendimento previsto no contrato (o que já foi reconhecido, inclusive, pela Justiça ao conceder liminar à Prefeitura obrigando a empresa a prestar integralmente os serviços à população).

Obviamente, em virtude da paralisação parcial (ou “operação tartaruga” ou “operação padrão”) do atendimento médico de urgência e emergência nas unidades integralmente geridas pela Associação, bem como daquelas para as quais ela presta estes serviços médicos, verificada e amplamente divulgada pela mídia ao longo dos últimos meses, a Comissão de Acompanhamento do Contrato está analisando o relatório da auditoria e deve apontar, nos próximos pagamentos, a grosa dos serviços que não foram efetivamente prestados à população, conforme estabelece a legislação brasileira.

A Secretaria Municipal de Saúde tem reforçado publicamente também que os médicos “municipais”, ou seja, que são servidores da Prefeitura, jamais paralisaram ou reduziram suas atividades.

A Pró Saúde gerencia integralmente a UPA (Unidade de Pronto Atendimento) 24h do Jardim Macarenko e o PA (Pronto Atendimento) do Matão, fornece serviços médicos de urgência e emergência para os outros três PAs da Rede Municipal e, eventualmente, serviços de médicos especialistas para outras Unidades da Rede de Atenção Básica.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE