Sem conectividade, Brasil fica ainda mais longe da economia digital

Sem infraestrutura de conectividade, os municípios não vão entrar na era da economia digital e haverá uma disparidade enorme na oferta de serviços inteligentes aos cidadãos. Essa foi a tônica do Fórum Cidades Inteligentes, IoT e Conectividade: Perspectivas e Desafios, realizado nesta quinta-feira, 03/10, em Belo Horizonte, e que reuniu especialistas para tratar de temas referentes à modernização da gestão pública, o empreendedorismo e o desenvolvimento econômico.

O diretor do departamento de Banda Larga do MCTIC, Artur Coimbra, lamentou o fato de os municípios não estarem aderindo à Lei Geral de Antenas, sancionada em 2015, na velocidade esperada e desejada pela economia digital. “Infelizmente ainda há muito desconhecimento da legislação e uma interferência das gestões municipais que criam uma insegurança jurídica aos investimentos em conectividade. Havia uma preocupação com o 4G e agora isso se amplia com o 5G”, afirmou.

O chefe da Assessoria Técnica da Anatel, Humberto Pontes, reafirmou que é responsabilidade da agência reguladora fiscalizar a radiação do campo eletromagnético das antenas celulares e que todas as medidas exigidas mundialmente foram e estão sendo tomadas. “Fizemos uma última revisão ainda este ano dentro das regras da Comissão Internacional de Proteção Contra Radiação Não Ionizante – ICNIRP. Posso assegurar que todas as prestadoras estão atuando até abaixo do limite permitido mundialmente. Não há nenhum risco à saúde com as antenas.”

Burocracia – O vice-presidente da Federação das Indústrias de Minas Gerais, Teodomiro Camargos, avaliou que a legislação atual para telecomunicações em Belo Horizonte é inadequada, burocrática e provoca uma estagnação no desenvolvimento econômico. “Belo Horizonte precisa mudar a sua matriz econômica para se adequar à era digital. E a nossa legislação é antiga, defasada e ficou parada no século retrasado”, pontuou.

Ele lembrou que, em novembro, Minas Gerais vai implantar uma plataforma para conectar os seus 853 municípios para fomentar a oferta de serviços mais inteligentes. “E sem conectividade esse projeto perde muito a sua valia”, sinalizou. O vice-presidente da FIEMG lamentou o fato de Belo Horizonte estar nas últimas posições no Ranking das Cidades Amigas da Internet, produzido pela Teleco. “Essa posição é muito inadequada no momento vivido pelo Estado”.

O vereador Gabriel Azevedo (PHS/MG), ao representar a presidente da Câmara dos Vereadores de Belo Horizonte, vereador Nely Aquino (PRTB/MG), observou que Belo Horizonte está muito longe de ser uma cidade digital e inteligente. Muito porque tem uma legislação arcaica e atrasada para a infraestrutura de conectividade. “Cidade inteligente não é só conectividade, mas não existe sem ela”, afirmou o vereador. Segundo ainda Gabriel Azevedo, Belo Horizonte precisa entender que a competição por desenvolvimento não é mais local ou mesmo no País, ela é global e exige novas ferramentas de competividade como o é a conectividade.

Ranking – Belo Horizonte ocupa a 97ª posição, entre os 100 maiores municípios brasileiros em população, no Ranking das Cidades Amigas da Internet, perdendo quatro posições em 2019 em relação a 2018. Entre as capitais de Estado, Belo Horizonte só fica à frente da cidade de São Paulo que ocupa a lanterna do ranking, mostrou o presidente da Teleco e responsável pelo estudo, Eduardo Tude.

O consultor observou que sete das 10 cidades que subiram posições no ranking o fizeram porque atualizaram as suas legislações como Porto Alegre no ano passado. Para avançar, Belo Horizonte precisa, entre outras mudanças, acelerar o prazo de autorização de instalação de antenas. “Uma small cell, que amplia a cobertura do sinal, leva uma hora para ser instalada por uma prestadora, mas está levando mais de seis meses para ser liberada. ?? muita burocracia”, exemplificou Eduardo Tude.

A camada de conectividade é a matéria prima para se construir cidades inteligentes no Brasil, advertiu Márcia Ogawa, Líder de Tecnologia, Mídia e Telecomunicações da Deloitte. Segundo ela, o país precisa pavimentar o caminho para o 5G, que determinará uma série de novas aplicações. “O 5G vai mudar tudo que conhecemos”, estabeleceu a especialista.

Raphael Leles, à frente da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Inovação e Turismo de Uberlândia, cidade que durante três anos ficou na primeira posição do Ranking das Cidades Amigas da Internet e é a primeira colocada no Ranking de Serviços de Cidades Inteligentes, diz que a regra básica de uma gestão pública é simplificar e permitir que a iniciativa privada possa investir.

“A economia digital é uma realidade. Ela precisa de infraestrutura para funcionar e cabe a nós criar as facilidades. Foi isso que Uberlândia fez. A tecnologia é para fazer uma cidade ser mais humana, para oferecer melhores serviços ao cidadão”, disse.

Ao fechar o debate, o diretor de infraestrutura do SindiTelebrasil, Ricardo Dieckmann, ressaltou que a disseminação da informação é o melhor caminho para esclarecer o papel da tecnologia no incremento da competitividade dos municípios. “Temos que mostrar que a economia digital traz desenvolvimento e que ele não virá sem infraestrutura de telecomunicações”, completou.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE