São Paulo prorroga campanha de multivacinação e poliomielite

A campanha de multivacinação e poliomielite foi prorrogada em todo o estado de São Paulo até o dia 13 de novembro. O objetivo é aumentar a cobertura vacinal, que chegou a apenas 39,6% contra a pólio. No estado, ainda é preciso vacinar mais de 1,3 milhão de crianças de 1 a 5 anos de idade contra a doença. 

A campanha nacional se encerra hoje.

Até o fim da campanha, a Secretaria de Estado da Saúde a meta é vacinar 95% das 2,2 milhões de crianças contra a poliomielite. Até o momento, os municípios imunizaram apenas 876,7 mil crianças do público-alvo da campanha.

De acordo com a secretaria, a adesão à campanha de multivacinação também precisa aumentar, e a finalidade é que pessoas nessa faixa etária recebam doses de vacinas importantes e que podem estar pendentes, garantindo assim a devida proteção contra vírus que circulam no território.

“Com relação ao atendimento nos postos em relação à covid-19, as unidades de saúde seguem todos os protocolos do Ministério da Saúde impostos em decorrência da pandemia. Vale destacar que todos são orientados a manter o distanciamento e a utilizar corretamente máscaras de proteção, que no estado de São Paulo é obrigatório, além da higienização correta das mãos”, disse a coordenadora do Programa Estadual de Vacinação, Helena Sato.

Atualização da carteira

Até o dia 22, aproximadamente 427,3 mil crianças e adolescentes de 5 a 14 anos de idade compareceram nos pontos para atualização da carteira vacinal, sendo que 188,2 mil tiveram vacinas aplicadas, representando 44,1%.

O índice de comparecimento nessa faixa etária está em 6,8%. Na faixa de crianças menores de 1 ano, 129,3 mil foram vacinadas, 65,3% no total.

“Pedimos que os pais e responsáveis aproveitem essa prorrogação para levar as crianças aos postos. É de extrema importância aumentar a cobertura vacinal contra poliomielite, além de atualizar a carteira de vacina de nossas crianças, contribuindo para eliminarmos os riscos da circulação dessas doenças no estado de São Paulo”, disse o secretário estadual de Saúde, Jean Gorinchteyn.

“Campanhas como essa são altamente eficazes na erradicação de doenças e na eliminação do risco de reintrodução dessas enfermidades em nosso território. No geral, são indicadas coberturas vacinais de 90% e 95% para proteção efetiva da população, e a ampliação da adesão é fundamental para que esses índices sejam alcançados”, disse Helena Sato.

Estão sendo oferecidas 14 tipos de vacinas que protegem contra cerca de 20 doenças: BCG (tuberculose); rotavírus (diarreia); poliomielite oral e intramuscular (paralisia infantil); pentavalente (difteria, tétano, coqueluche, hepatite B, Haemophilus influenza tipo b – Hib); pneumocócica; meningocócica; DTP; tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola); HPV (previne o câncer de colo de útero e verrugas genitais); além das vacinas contra febre amarela, varicela e hepatite A.

Este ano, também passou a integrar o SUS uma nova vacina, já inserida na campanha, a Meningo ACWY, que protege contra meningite e infecções generalizadas, causadas pela bactéria meningococo dos tipos A, C, W e Y.

Somando todos os tipos de vacinas, são mais de 5,2 milhões distribuídas nos postos do estado para aplicação no público-alvo.

A tabela com a relação das vacinas, faixas etárias previstas para receber as doses e dados de cobertura está disponível no site do governo de São Paulo.

Com informações Agência Brasil

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE