Edit

Revitalização do Ribeirão Quilombo é destacada no Encob

Os desafios de fazer o gerenciamento de um curso d’água urbano ao mesmo tempo que promove a recuperação de suas águas foram pontuados em relação aos avanços do Projeto de Revitalização do Ribeirão Quilombo, durante o 23° Encontro Nacional de Comitês de Bacias Hidrográficas – Encob 2021, que está acontecendo desde o dia 04 de outubro, em ambiente virtual. Os resultados do Projeto foram apresentados pelo assessor técnico do Consórcio PCJ, Flávio Forti Stenico, na manhã de terça-feira, dia 05.
O Ribeirão Quilombo percorre 54,7 km, entre os municípios de Campinas, Paulínia, Hortolândia, Sumaré, Nova Odessa e Americana, tendo sua foz no Rio Piracicaba e uma vazão média de 5,5 m³/s. Por cruzar uma região extremamente urbana e com forte conurbação, o ribeirão viu a qualidade de suas águas se deteriorarem de forma bem intensa, nas últimas décadas. Após a crise hídrica de 2014 e 2015, o Consórcio PCJ passou a olhar para o ribeirão com outros olhos, com a perspectiva de revitalizá-lo para poder contar com o uso de suas águas na ampliação da oferta hídrica da região. Assim, foi criado o Projeto de Revitalização do Quilombo, em 2018, com a ousada meta de trazer a vida ao curso d’água até o ano de 2035.
No Encob, Stenico abordou os recentes avanços do projeto, principalmente na ampliação do tratamento de esgoto da sub bacia, com a inauguração da Estação Produtora de Água de Reuso (EPAR) Boa Vista, que fez Campinas alcançar a meta de 100% do esgoto tratado no município. O assessor do Consórcio PCJ pontuou ainda os investimentos feitos em plantio de matas ciliares e a construção de reservatórios de macrodrenagem, especialmente na cidade de Hortolândia.
A meta é que o Ribeirão melhore a qualidade de suas águas até 2035, data essa, na qual o Plano de Bacias PCJ prevê que todos os cursos d’água da nossa região estejam enquadrados no mínimo em classe 3. Stenico lembrou que as Bacias PCJ já possuem um caso de mudança de classe de rio. “No Brasil existem pouquíssimas experiências de rios que mudaram sua classe de qualidade. Nas Bacias PCJ, há apenas um único exemplo, o do Rio Jundiaí, o que nos motiva que o Ribeirão Quilombo também possa alcançar essa meta”, disse.
Sobre o Encob
O 23° ENCOB está sendo realizado pelo Fórum Nacional de Comitês de Bacias Hidrográficas – FNCBH em parceria com o Governo do Estado do Paraná, da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Sustentável e Turismo e do Instituto Água e Terra, com o apoio do Fórum de Comitês de Bacias Hidrográficas do Estado do Paraná.
Este ano, o Encontro abordará o tema, “Água – Fator de Vida, Saúde e Desenvolvimento”, e ocorre entre os dias 04 e 07 de Outubro de 2021,  tendo como sede a cidade de Curitiba (PR) e  realizado no formato online.
Ainda dá tempo para participar. As inscrições estão abertas e são gratuitas pelo site www.encob.org.br

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE