Retrospectiva 2019: o ano das tragédias evitáveis

O romancista, contista e poeta irlandês James Joyce (1882-1941) costumava dizer que ???os erros são os portais da descoberta???. ??s vésperas do final de 2019, um ano repleto de tragédias que poderiam ter sido evitadas, a sociedade brasileira precisa olhar para trás com visão crítica para aprender com as falhas que resultaram na morte de centenas de pessoas e descobrir os caminhos para que novos desastres sejam evitados. Entre os acontecimentos trágicos deste ano estão o rompimento da barragem de Brumadinho, que deixou 270 mortos, o incêndio no Ninho do Urubu, que resultou na morte de 10 jovens atletas do Flamengo, e vários desabamentos de prédios, que mataram mais de 30 pessoas.
Descobertas as causas dessas tragédias, dizem especialistas, é preciso agir para que mais vidas não sejam perdidas em 2020, sobretudo em situações que poderiam ser evitadas. ????? necessário criarmos uma cultura preventiva???, diz Carlos Henrique dos Santos, gestor de Desenvolvimento Técnico da Sprink Soluções em Prevenção de Risco. ???Primeiramente, deve-se seguir as legislações, que pedem o mínimo. Uma pessoa ou instituição que se preocupa com a segurança de vidas deve realizar uma análise de risco, seja por meio de uma empresa ou de um profissional capaz de identificar os riscos em cada edificação???.
Com mais de 40 anos de experiência em projetos de engenharia de prevenção e combate a incêndios, a Sprink trabalha com diversos mecanismos para detecção e combate ao fogo. Entre as ferramentas estão alarmes de incêndio, sistemas de gases limpos, redes de sprinklers, canalizações preventivas, redes de hidrantes, extintores portáteis, sinalizações de emergência, rotas de fuga, casas de bombas de incêndio, cálculos hidráulicos, consultoria e obtenção de laudos.
Em um ano marcado pelo fogo ??? as chamas ainda causaram danos na Amazônia e no Pantanal e destruíram a Catedral de Notre Dame, em Paris ???, aprender com as lições ligadas à prevenção torna-se fundamental. ???Estatísticas da National Fire Protection Association (NFPA, organização sem fins lucrativos) indicam que o que mais mata em um incêndio nos EUA é a fumaça. Isso porque a população americana é treinada desde criança no escape???, afirma Carlos Henrique dos Santos. ???No Brasil, o que mais mata é o pânico, pela falta de cultura e pelo fato de as pessoas não saberem o que fazer. Em geral, para evitar grandes tragédias é fundamental as pessoas estarem treinadas para saberem o que não se deve fazer, criando uma cultura de prevenção e do que se deve fazer durante a emergência. Treinamento é condicionamento???.
Fundada nos anos 1970, a Sprink também oferece soluções de meio ambiente de curto, médio e longo prazos, incluindo ações com técnicos in loco para contenção de vazamentos e acidentes ambientais e vistorias periódicas a instalações. Entre outros serviços, a empresa dispõe de brigadas de incêndio e bombeiro profissional civil, manutenção preventiva, corretiva e preditiva em sistemas de extintores portáteis, planos de contingência/adequação de sistemas e equipamentos, engenharia de segurança no trabalho e treinamentos variados (formação de bombeiros e brigadistas, abandono/rota de fuga, combate a incêndio, brigadas de incêndio, entre outros).
Quedas de prédios deixam mais de 30 mortos
Além do fogo, o ano de 2019 foi marcado no Brasil por desastres causados por problemas estruturais em edifícios. No Rio de Janeiro, dois prédios desabaram, deixando 24 mortos na comunidade da Muzema. Em Fortaleza, o Edifício Andrea desabou no Bairro Dionísio Torres, causando nove mortes e deixando sete feridos. Já em São Paulo, um jovem morreu e outro ficou ferido após a queda de uma marquise no Jardim Paulista, zona sul da cidade.
Segundo Bárbara Kemp, diretora da Kemp Projetos e Gerenciamento de Obras, o olhar para os aspectos preventivos e para o andamento do trabalho é fundamental desde o começo até o fim de uma construção. ???Se o trabalho é executado com acompanhamento e gerenciamento em tempo integral, é possível mitigar eventuais problemas estruturais e garantir uma melhor qualidade na execução da obra???, garante Bárbara.
Com sede em São Paulo e bases operacionais em outras sete capitais brasileiras, a Kemp oferece aos seus clientes soluções completas, que variam de demandas pontuais até a coordenação total ??? do planejamento à entrega ??? da obra. Com estrutura e capacidade para atender clientes em qualquer lugar do país, a empresa presta serviços para setores diversificados, como varejista, financeiro, aéreo, supermercadista, industrial, cosméticos, entre outros. Atualmente, a Kemp conta com aproximadamente 220 colaboradores, em sua maioria engenheiros, arquitetos e técnicos.
Sobre a KEMPA Kemp é uma empresa de projetos e gerenciamento de obras fundada há 10 anos por Rogério Moraes e Barbara Kemp. Sediada em São Paulo, com aproximadamente 120 funcionários, atua em todas as regiões do país, oferecendo soluções personalizadas para cada tipo de empresa, independentemente de porte ou localização. Entre os serviços e soluções disponíveis estão estudos de viabilidade técnica e legal, concepção, desenvolvimento e execução de projetos de arquitetura e complementares, aprovações legais, gerenciamento de obras e processos de rollout. Atualmente, a empresa tem em seu portfólio clientes como Santander, O Boticário, Renner, QuikSilver, C&A, Burger King, Carrefour, Claro, Leroy Merlin, TIM e Walmart.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE