Rafael Macris detona Autoban

Autor do da lei que autoriza a cidade de Americana a garantir o ressarcimento correspondente às despesas relativas aos atendimentos médicos e hospitalares nas unidades de saúde de Americana junto às concessionárias de rodovias, o vereador Rafael Macris (PSDB) criticou fortemente, na sessão ordinária desta quinta-feira, 08/02, o fato das empresas ingressarem na Justiça para questionar a proposta.

Rafael aproveitou o tempo de liderança do seu partido para criticar a posição das concessionárias, inclusive a CCR Autoban, que teve lucro líquido de R$ 1,8 bilhão em 2017.  “O deferimento de liminar não significa julgamento de mérito. Porém, acho um absurdo as concessionárias, que ganham tanto dinheiro à custa do contribuinte, não quererem arcar com uma despesa que é de responsabilidade delas. O custo médico dessas pessoas de fora do município fica exclusivamente para Americana, trazendo uma dificuldade, prejudicando o sistema municipal de saúde”, afirmou Rafael Macris.
O vereador tucano aproveitou para criticar a postura tomada pelas concessionárias. “Lamento muito a postura da Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias de judicializar um assunto que busca única e exclusivamente garantir que as contas do Hospital Municipal sejam mais equilibradas e que haja uma responsabilidade compartilhada com relação aos casos encaminhados ao hospital provenientes de acidentes nas estradas. A situação da saúde no nosso município não é boa e esta lei trás condições de igualdade e contribui diretamente para o custeio do HM, que recebe em torno de 700 mil reais por mês do SUS e custa em torno de 6,5 milhões de reais. Americana contribui com o atendimento dessas vítimas e as concessionárias contribuem com as despesas. A população já paga caros pedágios e precisa ter um retorno quanto a isso, principalmente na área da saúde”.
Rafael lembrou ainda que nesta quarta-feira, 07, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu por unanimidade, manter a validade da lei que obriga as operadoras de plano de saúde a ressarcir o Sistema ??nico de Saúde (SUS) quando o segurado é atendido em hospitais públicos. A Lei nº 9.656/1998 regulamentou as normas da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). “Os planos de saúde terão que ressarcir o SUS quando o paciente for segurado. Por que essa mesma lógica não pode ser aplicada perante às concessionárias”, concluiu Macris.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE