Radialista critica ‘desprezo’ de Omar pelo RB

Na vida, digo em qualquer segmento, é assim: você aponta para esquerda, como se ali existisse o caminho das pedras, mas a intenção é só desviar o foco da direita. Isso se chama sinal invertido, como diria uma grande amiga e professora da vida.

Quando Omar Najar, um sujeito milionário e prefeito de uma cidade com orçamento estimado em R$ 800 milhões por ano, revela publicamente seu desprezo por uma instituição centenária, que, diga-se de passagem, sempre foi a embaixadora de Americana, ele só tem um único objetivo, o de mudar a direção da visão de quem o colocou no cargo.

Não pense você que esse artigo é uma defesa aberta a investimento público no time profissional do Rio Branco. Chega de pão e circo! Todos já sabem que o erário municipal não pode, por lei federal, ser aplicado em um clube privado. Embora o chefe do Executivo pense que seja tolo, o americanense sabe também que o dinheiro da saúde é exclusivo para a saúde. A verba da educação só pode ser aplicada na educação. E ninguém seria louco de tentar inverter essa lógica.
Mas, quando a saúde fecha unidades básicas, a educação corta apostilas das crianças e a precatória da Prefeitura só aumenta, o melhor caminho é falar que o Rio Branco causa prejuízo. Sim, meus amigos, essa é uma estratégia antiga na política. E não seria agora, no momento da retomada das forças conservadoras da cidade, que veríamos mudança na forma de conduzir os eleitores que clamam por soluções.

Discurso simplório e antigo. Fala populista, baixa e já calculada pelo poderoso dono do Paço Javert Galassi. ?? muito fácil dizer que a Prefeitura de Americana não tem dinheiro para pagar um talão de energia do ainda estádio municipal Décio Vitta por conta da falta remédio no HM. Difícil mesmo é reconhecer que, por pura falta de vontade, as dependências do DV não são bem utilizadas pela Prefeitura, e aí o problema não é do Rio Branco. Cabe a administração atual conseguir transformar aquela praça esportiva em um parque de eventos. Dar um finalidade sócio-educativa talvez ao espaço, afinal ali é palco para dezenas de atividades.

Porém, repito, a fala serve apenas para inverter a verdadeira carência de Americana, que tem por ano cerca de R$ 30 milhões de retorno de mídia espontânea com o Rio Branco, de acordo com a empresa G8 Sports, de marketing esportivo. Najar não fere apenas a imagem do Tigre, mas machuca principalmente a moral do americanense, que vê no time um dos orgulhos da cidade. 

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE