Prefeitura de Americana pede mais prazo para obra na ETE Carioba

O deputado e presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo, Cauê Macris, intermediou nesta quinta (6) uma reunião do prefeito Omar Najar e de representantes do setor têxtil regional com o procurador-Geral de Justiça do Estado de São Paulo, Mário Luiz Sarrubbo. O objetivo foi pedir maior prazo para fazer as melhorias na ETE (Estação de Tratamento de Esgoto) Carioba, conforme acordo com o Ministério Público Estadual.

O encontro, realizado na sede da Procuradoria, em São Paulo, contou com a participação do deputado federal Vanderlei Macris, do diretor do Sinditec (Sindicato das Indústrias de Tecelagem, Fiação, Linhas, Tinturaria, Estamparia e Beneficiamento de Fios e Tecidos de Americana, Nova Odessa, Santa Bárbara d’Oeste e Sumaré) Carlos Zabani, do empresário Percival Aires Kuhl e do advogado Carlos Eliseu Tomazella.

O deputado estadual defendeu as empresas e os empregos de quase 30 mil trabalhadores do setor têxtil local. Isso porque há o risco das atividades serem paralisadas em razão da não renovação das licenças das indústrias, uma vez que a ETE ainda não alcançou a eficiência de 80% no tratamento dos efluentes gerados na cidade. O prazo para renovação das licenças de funcionamento vence no final deste ano.

“As indústrias já tratam seus efluentes. O percentual é mínimo se comparado com o restante. A maior parte [92%] é esgoto doméstico, de responsabilidade do Departamento de Água e Esgoto do município. Nosso apelo é para que as coisas sejam solucionadas sem prejuízo para a atividade econômica, ao mesmo tempo que as obras sejam feitas para o tratamento do esgoto atingir a eficiência exigida”, disse Cauê Macris.

De acordo com o setor têxtil, são 38 empresas relacionadas. O prefeito Omar Najar afirmou que o prazo maior é necessário para a realização das das obras na ETE. Atualmente, a unidade trata o esgoto com 40% de eficiência. “Nós queremos cumprir com o acordo, mas queremos um prazo maior. Com isso, podemos chegar a 60% de eficiência no tratamento e depois atingir os 80% exigidos”, disse o prefeito de Americana.

O deputado federal Vanderlei Macris também demonstrou preocupação com a possibilidade dos trabalhadores do setor têxtil e das indústrias serem prejudicadas em razão do problema com as obras da estação de tratamento de esgoto. “A atividade têxtil de Americana é fundamental para a economia da cidade e também para o Estado. A possibilidade de paralisação é muito preocupante e não queremos que isso aconteça”, disse ele.

O acordo com o Ministério Público foi assinado em dezembro de 2017, em aditamento a um TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) firmado em 2012 entre a Promotoria, prefeitura e o DAE de Americana. O acordo previa a conclusão das obras para este ano, mas elas não foram realizadas por ausência de recurso da prefeitura. Um repasse chegou a ser negociado com o governo federal, mas não foi concluído.

O procurador-Geral de Justiça, Mário Luiz Sarrubbo, informou ao deputado Cauê Macris e aos participantes da audiência que vai tratar do assunto com a Promotoria de Americana. A intenção é buscar uma alternativa, considerando os pedidos realizados na reunião desta quinta. Uma próxima audiência pode ser agendada para dar prosseguimento ao tema.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE