Patrulha Maria da Penha temas da Campanha 16 dias de ativismo

Os trabalhos realizados pela Patrulha Maria da Penha, da Guarda Municipal de Americana (Gama), e pela Rede de Atenção às Mulheres em Situação de Violência foram os temas abordados, na manhã desta terça-feira (3), no Centro Especializado de Assistência Social (Creas), no Jardim Ipiranga. A atividade fez parte programação da Campanha “16 dias de ativismo pelo fim da violência contra a mulher”, promovida pela Secretaria de Ação Social e Desenvolvimento Humano e o CMDM (Conselho Municipal dos Direitos da Mulher).
A explanação foi feita pelas profissionais Luciana Marques e Cléucia Pereira, da equipe do Patrulha Maria da Penha, e Léa Amábile, vice-presidente do CMDM (Conselho Municipal dos Direitos da Mulher). Desde setembro de 2018, quando o programa da Guarda Municipal começou, já foram atendidas 238 medidas protetivas para mulheres vítimas de violência.                          As palestrantes ressaltaram a importância da disseminação das informações sobre a legislação e a rede de atenção e destacaram que é fundamental que as políticas públicas sejam articuladas para que todos os mecanismos de apoio e direitos funcionem.”Nesta edição da Campanha dos 16 dias de ativismo, estamos fazendo as capacitações, divulgando os serviços que o município oferece, pensando sobre algumas demandas específicas como, por exemplo, a inclusão das mulheres imigrantes e refugiadas, o preenchimento de ficha compulsória de mulheres vítimas de violência, entre outras questões. Temos que ficar o tempo todo cuidando para não perdermos os direitos e caminhando para propostas e efetivação de políticas públicas para quem mais precisa”, disse Léa.O programa Patrulha Maria da Penha ajuda no cumprimento das medidas protetivas para as mulheres vítimas de violência que são encaminhadas pelo judiciário, proporcionando o acompanhamento periódico das vítimas. “Hoje temos 22 mulheres atendidas e o trabalho desenvolvido ajuda a afastar os agressores, que percebem que não terão mais facilidades para se aproximarem das vítimas e praticarem novamente as agressões. As mulheres amparadas também podem emitir cópias das medidas para as escolas dos filhos e vizinhos, para que ajudem a comunicar se o agressor tentar se aproximar. O direito precisa ser cumprido”, explicou a patrulheira Luciana. O acesso à Rede de Atenção às Mulheres em Situação de Violência pode ser feito por meio dos seguintes órgãos:- Guarda Municipal de Americana – telefones 153 ou (19) 3461-8631 – Avenida Bandeirantes, nº 2100, Colina.- Delegacia de Defesa da Mulher – telefone (19) 3462-1079 – Aberta de segunda a sexta, das 9 às 18 horas – Rua Argentina, n° 242, Jardim Girassol.- Central de Polícia Judiciária (CPJ) – telefone (19) 3405-3390 – Rua Dr. Cândido Cruz, nº 146, Vila Rehder.- Conselho Municipal de Direitos da Mulher (CMDM) – telefone (19) 3475-8700 – Aberto de segunda a sexta, das 11 às 17 horas, e fica na Avenida Brasil, nº 1293, Jardim São Paulo.- Conselho Tutelar – telefone (19) 3475-3400 ou (19) 3475-3415 – Aberto de segunda a sexta e plantões aos finais de semana e feriados, das 8 às 17 horas, e fica na Rua Duque de Caxias, nº 253, Vila Santa Catarina.- Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS) – telefone (19) 3475-3400 ou 3475-3415. Rua Gonçalves Dias, nº597, Jardim Girassol. As próximas atividades da Campanha 16 dias de ativismo serão as seguintes:4/12 – 14h – Roda de Conversa – Programa Patrulha Maria da Penha da GAMA, no CRAS Nossa Senhora Aparecida (Rua José Frigeri, 380, Jd. Brasil)5/12 – 9h – Roda de Conversa – Programa Patrulha Maria da Penha da GAMA no CRAS São Jerônimo (Rua Carlos Vassalo, 370)6/12 – 9h – Blitz Campanha Laço Branco – Homens pelo fim da violência contra as mulheres, com a GAMA, na Avenida Brasil7/12 – Entrega de material informativo no Parque Ecológico (Avenida Brasil, 2.525 – Jardim Ipiranga)8/12 – Entrega de material informativo no Parque Ecológico (Avenida Brasil, 2.525 – Jardim Ipiranga)9/12 – 19h – Palestra: “Impacto da violência doméstica na saúde das mulheres trabalhadoras”, com a palestrante Dra. Cláudia Luna, na OAB Americana (Rua Cristóvão Colombo, 155 – Parque Res. Nardini)10/12 – às 10h e às 14 h – Capacitação “A importância da notificação compulsória da violência na efetivação da lei Maria da Penha”, para funcionários da Unimed. 

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE