Pastor se traveste para ‘vingar’ trans da Parada

A performance que teve a crucificação de uma mulher transsexual, durante a 19ª Parada do Orgulho LGBT no último domingo (7/6) em São Paulo, tem alimentado discussões acaloradas nas redes sociais. Há quem interprete como ofensa religiosa e há quem considere como uma legítima expressão artística que representa a perseguição e violência das quais é alvo a população LGBT brasileira. Porém, enquadrados no primeiro grupo, segmentos específicos da sociedade andam se utilizando de artilharia pesada em meio à polêmica. O primeiro deles são os parlamentares da bancada evangélica em Brasília, os quais, já na segunda-feira, apresentaram um projeto de lei que torna a ???cristofobia??? um crime hediondo, com condenação que pode chegar a oito anos de prisão. Já o alto clero das grandes igrejas neopentecostais vinha se ???limitando??? à desinformação e maledicência usuais para pregar o cerceamento de direitos a homossexuais. Isso até a noite desta terça-feira???
Em ato comemorativo ao dia do pastor ??? 9 de junho ??? na catedral da Igreja Cósmica do Poderoso Império Divino, o pastor Rubens Paulo executou o que definiu como um ???glorioso ato de vingança em nome dos cristãos???. Durante as celebrações, ele entrou no palco caracterizado como a cantora Cher para realizar sua pregação, atitude que deixou a maior parte do público sem reação. ???Quero ver como o movimento gay se sente agora que estou profanando uma de suas maiores divindades! Sigo as palavras do Salvador, dando a César do seu próprio veneno e a Deus a Sua glória!???, disse o pastor momentos antes de interpretar uma versão gospel de Believe, um dos maiores hits de Cher.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE