Para 87%, proteger coração do idoso prioridade

Infartos do coração e acidente vascular cerebral (AVC) são a principal causa de morte em pacientes com diabetes tipo 2. Apesar desse fato, pouco se discute sobre os cuidados para evitar as doenças cardiovasculares em pessoas com diabetes e mais de 65 anos. Nessa faixa etária, a doença cardiovascular mata mais que HIV, tuberculose e câncer de mama na população mundial. Até 80% dos pacientes com diabetes tipo 2 morrem em decorrência de problemas cardiovasculares.
Essa realidade vista nos consultórios médicos e ambulatórios em todo o país ainda está distante do cotidiano dos brasileiros. Para mudar esse cenário e tornar os cuidados com o coração da pessoa idosa com diabetes uma prioridade, sociedades científicas médicas, associações de pacientes e indústria se uniram para criar o “Movimento Para Sobreviver” (www.movimentoparasobreviver.com.br).
Entre os participantes estão as ONGs (organizações não governamentais) Associação Diabetes Brasil (ADJ), Associação Nacional de Atenção ao Diabetes (ANAD), Instituto Lado a Lado Pela Vida, Rede Brasil AVC, as sociedades médicas Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD) e as farmacêuticas Boehringer Ingelheim e Eli Lilly do Brasil.
O diabetes compromete a absorção de glicose no corpo e, entre as várias consequências dessa alteração no organismo, está o aumento do risco de doença cardiovascular. Para Dr. Oscar Dutra, presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), é comum o diabetes estar associado a hipertensão, fator que colabora para o surgimento de problemas cardiovasculares. “O paciente com diabetes tipo 2 tem alta propensão de doença coronária (angina), infarto do miocárdio, AVC e insuficiência cardíaca”, esclarece o cardiologista.
Os custos com doenças cardiovasculares consomem a maior parte dos gastos com o diabetes, chegando a 42% do total. Estima-se que 39% desses custos são direcionados ao tratamento de infarto do miocárdio nessa população, e 23% para insuficiência cardíaca. “Tratar o coração da pessoa idosa com diabetes é evitar custos decorrentes de internações e tratamentos de alta complexidade. ?? permitir que se mantenha saudável, convivendo com a família e com os amigos”, pontua o Dr. Fadlo Fraige Filho, endocrinologista e presidente da ANAD. 
Pesquisa inédita nacional do Instituto Datafolha mostrou que uma parcela da população brasileira conhece a relação entre as doenças cardiovasculares e o diabetes. Porém, ainda há muito por ser trabalhado. “Disseminar conhecimento, informação de qualidade e engajar as pessoas a cuidarem dos seus pais, avós e parentes idosos com diabetes é uma questão de sobrevivência”, diz Marlene Oliveira, presidente do Instituto Lado a Lado pela Vida.
O lançamento do “Movimento Para Sobreviver” acontece nesta terça-feira (24/07), às 20h30, no Rio de Janeiro, com uma ação de conscientização que vai fazer o maior coração do Brasil bater: o do Cristo Redentor. Por consequência da falta de cuidado adequado, a doença aumenta o risco de infarto do miocárdio e AVC. A intervenção alerta para os riscos cardiovasculares na pessoa idosa com diabetes.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE