Pantera Negra, por Oscar D’Ambrosio

Ryan Coogler, ao dirigir o filme ‘Pantera Negra’, traz uma ampla riqueza de elementos que está além da questão racial, enfatizada pela maioria das críticas. ?? claro que é ótimo ver crianças de todas as raças poderem ter um herói negro como ídolo, mas, acima de tudo, temos um protagonista pleno de complexidades num universo de reviravoltas.

O reino de Wakanda é uma encantadora visão da África, mas o melhor está em alguns de seus personagens, principalmente os femininos, com uma cientista jovem e bem-humorada, uma general fiel ao seu país em qualquer circunstância e uma espiã que acredita que as causas sociais devem mover qualquer reino.
Em meio a isso, o rei T’Challa, o Pantera Negra, além dos poderes que uma armadura tecnológica lhe dá associada a uma erva das profundezas do continente africano, convive com os mais diversos problemas políticos, como a decisão de tornar o reino mais ou menos visível no mundo e enfrentar um erro de avaliação de seu pai que idolatrava.
Mesmo os personagens malvados têm motivações plausíveis, principalmente o fato de estarem alijados do poder, o que gera uma revolta compreensível, mas não justificável quando caminham para o excesso. O resultado é um filme de super-herói em que as cenas de ação são superadas pelas idas e vindas da história e a riqueza interna das personagens. Vale muito a pena!
Oscar D’Ambrosio é jornalista pela USP, mestre em Artes Visuais pela Unesp, graduado em Letras (Português e Inglês) e doutor em Educação, Arte e História da Cultura pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e Gerente de Comunicação e Marketing da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE