Pandemia faz fechar Copacabana Palace

O Hotel Copacabana Palace vai fechar temporariamente, a partir de amanhã (10), devido à pandemia da covid-19, que já fechou 60 hotéis do Rio de Janeiro, de acordo com a Associação Brasileira da Indústria de Hotéis do Rio (ABIH-RJ).  A decisão do grupo inglês Belmond do Brasil, tem como principal foco proteger os 550 funcionários e também os hóspedes da infecção pelo novo coronavírus.

Os últimos hóspedes deixaram o hotel na última segunda-feira (6). De acordo com a diretora-geral do grupo, Andrea Natal, a ocupação em março dos mais de 225 apartamentos e suítes caiu para 36%, quando a expectativa para o mês era de uma ocupação de 70%. Apenas Andrea permanece morando no hotel e o cantor Jorge Ben Jor, que desde 2018 reside no Copa.

A previsão para reabertura do Copacabana Palace, um verdadeiro ícone da história da hotelaria do Rio de Janeiro é o mês de maio. Nesse período, 50 funcionários vão trabalhar na manutenção das instalações do prédio.
História

O Hotel Copacabana Palace foi construído pelos empresários Octavio Guinle  e Francisco Castro Silva entre os anos de 1919 e 1923, atendendo a um pedido do então presidente Epitácio Pessoa, que desejava um grande hotel de turismo na então capital do país. Em compensação, o governo federal concederia incentivos fiscais, assim como a licença para que nele funcionasse um cassino, uma exigência do empresário.

Epitácio Pessoa queria que o hotel fosse inaugurado em 1922, com a finalidade de  ajudar a hospedar o grande número de visitantes esperados para a grande Exposição do Centenário da Independência do Brasil, um evento de dimensões internacionais. No entanto, o hotel só foi inaugurado, no dia 13 de agosto de 1923, devido a dificuldades na importação de mármores de Carrara, da Itália e cristais tchecos e na execução das suas fundações, além da falta de experiência no país para tal confecção e a um fenômeno da natureza, uma ressaca do mar, que destruiu a Avenida Atlântica, em 1922, causando danos ao hall do hotel.
Venda

Em 1989, a família Guinle, representada por José Eduardo Guinle, vendeu para o grupo inglês Orient Express, o Copacabana Palace, que passou a se chamar Belmond Copacabana Palace. O hotel passou por reforma, modernizando a antiga instalação, mas sem descaracterizar a fachada imponente do prédio.
Personalidades 

Nas suítes do hotel já se hospedaram figuras internacionais, como a cantora brasileira Carmem Miranda, a atriz Ava Gardner, a princesa Diana com o príncipe Charles, o cantor  Mick Jagger; o escritor alemão Thomas Mann, do barão de Rotschild e o rei George VI, pai da rainha Elizabeth II, entre tantas personalidades.

Com informações Agência Brasil

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE