Pandemia aquece em 138% setor automotivo

Enquanto a pandemia da COVID-19 traz prejuízo à grande maioria dos setores econômicos no Brasil, o ramo automotivo segue na contramão dessa tendência, despontando para um crescimento de quase 138% neste ano em relação a 2019. É o que aponta a Pesquisa IPC Maps, especializada em potencial de consumo dos brasileiros há mais de 25 anos, com base em dados oficiais.

De acordo com o estudo, até o final de 2020, a população terá desembolsado cerca de R$ 480,7 bilhões com veículos próprios, o que representa R$ 278 bilhões a mais do total gasto no ano passado, quando esse valor chegou a R$ 202 bilhões. Neste cálculo, são levadas em conta as despesas referentes à aquisição e à manutenção de todos os tipos de veículos automotores, incluindo motos, carros, caminhonetes, caminhões e ônibus, tais como: gasolina, álcool, consertos, estacionamentos, óleos, acessórios/peças, pneus, câmaras de ar, lubrificações e lavagens.

Segundo Marcos Pazzini, responsável pelo IPC Maps, essa vantagem significativa na categoria deve-se principalmente ao aumento da demanda por “transportes via aplicativos e deliveries, tanto pelo consumidor que passou a usar mais esses serviços, quanto pelos trabalhadores, que viram no segmento uma oportunidade de compensar uma eventual diminuição da renda ou até mesmo a perda do emprego, ambos causados pela pandemia.”

Esse é apenas um recorte da pesquisa, finalizada em maio último, que leva em consideração todo o cenário de pandemia, destacando que o consumo nacional nos diversos setores econômicos se igualará a índices de 2012, com a maior retração desde 1995. Caso interesse, podemos disponibilizar a íntegra do estudo com dados nacionais e/ou regionais, divididos por setores econômicos e classes sociais, tanto de 2020 quanto de anos anteriores.

 

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE