Palmeiras cala Boca na Argentina

O Boca Juniors e sua mítica Bombonera não intimidaram o Palmeiras nesta quarta-feira. O time brasileiro soube sofrer e soube fazer sofrer. Soube asfixiar o rival e soube buscar o ar quando estava sendo sufocado. Soube aproveitar as falhas do adversário e soube abafar os próprios vacilos.
Roger Machado comentou depois da vitória por 2 a 0 que os jogadores executaram com perfeição a estratégia traçada. O objetivo inicial era bem claro: evitar que os argentinos já começassem pressionando e inflamassem ainda mais a torcida. Para isso, o Palmeiras contou com a aplicação tática de todos os seus jogadores, subiu a marcação e passou dez minutos sem deixar o Boca respirar. Uma trapalhada do goleiro Rossi (a primeira da noite) quase resultou em um gol sem querer de Keno. Mais adiante, os dois voltariam a ser personagens…
Aos 11 minutos, o ótimo Pavón acertou o primeiro de muitos dribles em Marcos Rocha e exigiu a primeira de muitas defesas de Jailson. Chegava a hora de “saber sofrer”, e o Palmeiras soube. Na verdade, quem sofreu foi o time da casa.
O Boca mandava no jogo, mas ameaçava pouco quando Marcos Rocha (justamente o palmeirense que mais sofria na partida) colocou a bola na cabeça de Keno (talvez o palmeirense mais empenhado em ajudar o lateral a sofrer menos). O atacante aproveitou a falha de Vergini e fez 1 a 0.
Como já era de se esperar, o Boca se lançou com tudo ao ataque na tentativa de igualar o marcador ainda no primeiro tempo. Com mais sorte do que juízo, o Palmeiras se segurou. Talvez tenha sido o momento de maior instabilidade da equipe na partida, tanto que Abila surgiu livre embaixo da trave duas vezes seguidas, embora estivesse impedido em ambas.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE