Os limites da política ‘Big Stick’

A política do Big Stick* (cacetar os adversários quando necessário) tem suas limitações. No caso dos inventores do modelo, os norte americanos, o estilo durou pouco mais de uma década.

?? atraente adotar o Big Stick como prática política, porque ele traz junto uma ideia de que o portador tem melhor visão de mundo. Cabe ao dono do Big Stick ensinar os iletrados como fazer política e, se necessário, fazer o uso da força.
Justificamos nossos usos e abusos porque levamos a modernidade para uma comunidade incapaz de conhecer suas necessidades, seria a máxima desse tipo de política.
QUEM ADOTA- No Brasil, são muitos, mas muitos mesmo, os políticos que adotam essa visão de superioridade para guiar o povão no sentido de guiar rumo a uma modernidade trazida pelo líder político.

LIMITES- Há um limite óbvio (temporal) para o modelo Big Stick de política. Uma hora, os incapazes aprendem a apanhar ou alcançam a modernidade. Nessa hora, o político perde sua razão de ser. Outro limite dessa política é mais sútil e menos perceptível. Ele chega quando a política consome muita energia na sua prática, afetando a capacidade do líder de enxergar necessidades prementes da comunidade.
Talvez estejamos perto de ver mudanças na política tão adorada por líderes e pelos que os cercam.

* O Big Stick (em português: “Grande Porrete”) foi o slogan usado pelo presidente Theodore Roosevelt para descrever o estilo de diplomacia empregada como corolário da Doutrina Monroe, a qual especificava que os Estados Unidos da América deveriam assumir o papel de polícia internacional no Ocidente. Foi como uma “injeção de economia” nos países da America do Sul.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE