Edit

Open banking: integração com Pix chega no final do mês

Prevista para o dia 29 de outubro, a 3ª fase de implementação do open banking trará a integração entre o sistema e os meios de pagamento, começando com o Pix. Para José Luiz Rodrigues, especialista em regulação da JL Rodrigues & Consultores Associados, este é o momento em que o open banking deixará de atuar apenas com o compartilhamento de informações e impactará nos serviços que chegarão ao consumidor.

“É na fase 3 do open banking que começará a integração nas prestações de serviços. Ela ocorrerá de forma gradativa, envolvendo primeiramente o Pix, e integrando posteriormente os pagamentos com TED e transferências entre contas na mesma instituição, boletos, débitos em conta e, por fim, propostas de créditos”, explica o especialista.

Para José Luiz, com esta integração, a tendência é que as pessoas tenham cada vez mais produtos e serviços de instituições financeiras e fintechs à sua disposição. “Essa fase proporcionará o surgimento de novas soluções e ambientes para a realização de pagamentos e, posteriormente, novas dinâmicas às operações de crédito. É uma fase direcionada para difundir o acesso a serviços financeiros, de forma mais fácil, mas preservando a segurança do Sistema Financeiro Nacional”.

Caso haja interesse do consumidor, ele precisa autorizar o compartilhamento de seus dados na instituição em que possui conta ou cadastro. “O que deve acontecer é que o cliente vai ser cada vez mais ativo, na medida em que for impactado por ofertas – e a expectativa é que surjam cada vez mais ofertas, porque o mercado estará mais competitivo”, complementa José Luiz.

Entenda as fases do open banking

Iniciada em fevereiro, a implementação do open banking envolveu primeiramente a integração de sistemas entre as instituições financeiras. Em agosto começou a 2ª fase, caracterizada pelo compartilhamento de informações entre as entidades do mercado – começando com os dados pessoais dos clientes e, depois, com os dados transacionais.

Agora, no final de outubro, começa a 3ª fase, a primeira que envolverá a integração entre prestação de serviços e será direcionada aos meios de pagamento. Já na 4ª fase, que tem previsão de início em 15 de dezembro, o foco  é a integração de outros serviços financeiros. “Os clientes poderão compartilhar suas informações sobre operações de câmbio, investimentos, seguros, previdência privada e contas-salário. Como esta fase inicia o compartilhamento de um conjunto de informações além de produtos e serviços bancários tradicionais, ela marca o começo da migração do Open Banking para o Open Finance”, conclui.

Sobre a JL Rodrigues & Consultores Associados

Há vinte e três anos no mercado, a JL Rodrigues & Consultores Associados (https://jlrodrigues.com.br/) é uma consultoria especializada em regulação, organização, supervisão e acesso ao Sistema Financeiro e ao Mercado de Capitais, com foco no atendimento a empresas e instituições financeiras brasileiras e estrangeiras, que atuam ou pretendem atuar nesses ambientes.

Também atende instituições que atuam em atividades relacionadas como, por exemplo, instituições de pagamentos, fintechs de crédito, consórcios e outros modelos de negócios ligados ao Sistema de Pagamentos Brasileiro, como as de Infraestruturas de Mercado.

A consultoria representa seus clientes perante os órgãos reguladores pertinentes, para propor soluções eficazes no âmbito administrativo, institucional, regulamentar e contábil, que preservem seus legítimos interesses econômicos, financeiros e comerciais.

José Luiz Rodrigues, sócio titular da empresa, é também membro do Conselho da ABFintechs (Associação Brasileira de Fintechs) o que faz com que a Consultoria esteja inserida nesse ecossistema de forma ativa.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE