Ocupar e resistir ou a derrota do espírito conservador

Nos últimos meses de 2015, cerca de 200 escolas no Estado de São Paulo foram ocupadas por estudantes com o objetivo de enfrentar o projeto de ???reorganização??? imposta pelo Governo de Geraldo Alckmin, que na prática significava o fechamento de salas de aula e estabelecimentos de ensino. A mobilização, mais do que atingir grandes proporções, teve efeitos avassaladores. A vitória da organização estudantil foi inegável: o governo do Estado recuou da proposta de reduzir o número de escolas e concentrar ciclos em um mesmo prédio. Além disso, alunas e alunos envolvidos nas ocupações imprimiram novo fôlego às lutas de seu tempo.
O ato político de ocupar as escolas se desdobrou em outros setores da sociedade e mobilizou estudantes, famílias, comunidades, movimentos sociais e intelectuais.Para além da proposta de barrar o projeto imposto pelo governador, a juventude se mostrou mais do que capaz de ser protagonista deste processo, conduzindo não apenas seu posicionamento contrário, mas pautando e debatendo o cotidiano da vida escolar, relacionado às salas superlotadas, mobilidade, currículo escolar e falta de estrutura.A forma como as e os estudantes conduziram as ocupações é acúmulo de uma longa trajetória de conquistas que a esquerda construiu ao longo dos anos, acúmulos que discutem e debatem a sociedade, fazendo uma crítica ao modo ultrapassado de fazer e pensar a educação, no qual as estruturas se sustentam por meio de opressão e desigualdade.Dentro das escolas ocupadas a dinâmica foi diferente daquilo que ocorre no dia a dia escolar. A organização contou com divisão de tarefas, incluindo meninos na cozinha, meninas na segurança, cronograma de horários para atividades de debates e, muito mais que isso, meninas com a tarefa de mobilização e articulação política.Não por acaso as discussões contaram com rodas de bate papo sobre temas dos quais as e os próprios estudantes escolheram e, nesse leque de opções, a pauta da igualdade circulou pelos corredores, salas e em todos os espaços. Para além da divisão de tarefas, foram debatidas questões como desigualdade salarial, violência, autonomia, entre outras.O cenário político proporcionado pelas ocupações corresponde à síntese da luta das mulheres e dos programas de esquerda dos últimos anos, como por exemplo, a Lei Maria da Penha, que evidenciou que violência contra a mulher é uma questão a ser discutida e combatida. Também houve importantes avanços por meio das políticas públicas da Secretaria de Políticas para as Mulheres do Governo Federal (SPM). Se houve, portanto, interesse sob a pauta da igualdade durante as ocupações, é porque houve um histórico de lutas nessa questão.Assim, as ocupações derrotaram na prática comportamentos que a sociedade nos impõe desde criança, como, ???azul é para meninos???, ???rosa para as meninas???, ???boneca para meninas carrinho para meninos???. Dentro das atividades estipuladas nas ocupações, o lazer e a cultura também passaram por essa dinâmica. Meninas com skate, jogando bola, meninos na limpeza, uma divisão de tarefas que deixou de lado regras sociais impostas, de comportamento e de gênero.Ao assumirem posição de liderança nesse movimento, as estudantes apontam para uma nova alternativa quanto à questão da educação, demonstrando que de fato é importante discutir um novo modelo de educação, que traga à tona as desigualdades que sofremos, o racismo, a homofobia e tantas outras formas de opressão e violência presentes na sala de aula.Uma educação mais justa e igualitária deve ser aquela que de forma horizontal e democrática, altera a sociedade por meio do debate e da construção com todos e todas estudantes e por meio da superação do machismo e dos padrões que nos oprimem. *Milena Gomes Soares é militante da Marcha Mundial das Mulheres em Americana, São Paulo.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE