O papel da escola na prevenção de riscos nas redes

Suicídio, bullying e cyberbullying, ainda considerados tabus por pais e filhos, são tratados em sala de aula em colégio paulistano
 No Colégio Franciscano Pio XII, instituição de educação localizada no bairro do Morumbi, em São Paulo, as aulas de Prevenção e Cidadania dirigidas aos alunos do Ensino Fundamental II abrem espaço para a discussão de assuntos que ocorrem com frequência na adolescência e que são fonte de preocupação para muitos pais, como suicídio, bullying e cyberbullying. ???Nosso trabalho na escola é de prevenção, prestando auxílio ao aluno em seu desenvolvimento pessoal e profissional, sem separar a inteligência emocional do intelecto???, afirma Patrícia Heidrich Prado, psicóloga educacional e clínica, especialista em criança e adolescente, professora da disciplina de Prevenção e Cidadania do Colégio. ???Quando surgiu o desafio Baleia Azul, tivemos de 12 a 13 aulas sobre o assunto, antes mesmo de sair na mídia???, comenta. ???Um aluno trouxe o assunto para a sala de aula. Como estávamos trabalhando com o 8º ano a questão da necessidade de pertencer a um grupo, achamos pertinente falar sobre o tema???, salienta a professora. Nas aulas, um assunto diferente é trabalhado com os alunos do Fundamental II, sempre com o foco na inteligência emocional, essencial para a vida pessoal, familiar e profissional do estudante. ???Com o 6º ano, trabalhamos ???bullying??? e ???cyberbullying???, uma vez que os alunos já têm repertório para falar sobre estes assuntos. Com o 7º ano, idade em que o jovem está sofrendo muitas transformações, tratamos a ???impulsividade???. Já com o 9º, abordamos a ???felicidade falsa??? proporcionada pela internet, com base em um episódio da série Black Mirror???, conta Patricia. A professora comenta que também alerta pais e responsáveis, por meio de palestras e reuniões, sobre questões importantes que podem virar armadilhas no uso da tecnologia e das redes sociais, como a agilidade de transmissão de informações, por exemplo. ???Nunca estivemos tão expostos ao erro, principalmente o adolescente. Muitas vezes até compartilhamos notícias falsas???, diz. Outros fatores são a sensação de anonimato e a falta de responsabilidade de autoria, especialmente quando compartilhamos algo que não é nosso. ???Com o trabalho preventivo desenvolvido nas aulas, procuramos reduzir a ansiedade dos estudantes quando abordamos esses temas???, explica Patricia, ressaltando a importância do acompanhamento dos pais. ???O aluno gosta muito da participação dos responsáveis em sua vida. ?? inevitável correr riscos, mas é preciso acompanhar de perto. Os pais não devem auditar as atitudes dos filhos e, sim, dar suporte???, conclui. 

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE