‘O ilimitado mal’ e o cinema de Israel

O cinema israelense merece ser melhor conhecido no Brasil. ‘Lobos Maus’, da dupla de diretores Aharon Keshales e Navot Papashudo, é um exemplo disso. A forma do filme ao discutir até onde pode chegar a crueldade humana desperta a atenção logo na primeira cena e se mantém por toda a narrativa.

São poucos personagens e todos muito bem definidos em sua dramaticidade. Em busca de um assassino de crianças que as mata e corta suas cabeças, policiais e militares utilizam os mais variados métodos. Estamos falando de torturas variadas e simples, estereotipadas num humor negro ao estilo Quentin Tarantino.
Não há preocupação com verossimilhança, mas sim em manter a adrenalina em alta no momento em que dois militares (pai e filho) sequestram o possível assassino, assim como um policial que acredita que aquele homem submetido às mais terríveis dores é inocente. Reviravoltas farão todos reverem esses conceitos sobre quem é mocinho e bandido.
O grande ponto do filme é que não há inocentes na trama. Todos ser humano pode ser culpado de algo e, ao contrário do que diriam os românticos, a humanidade não é pura desde o nascimento, mas capaz, em sua essência, de gerar nos outros e em si mesma, as dores mais terríveis. ?? nessa máxima pessimista que o filme sustenta, pleno de ironia, a força de seu roteiro e do poder visual de suas cenas mais impactantes.
 Oscar D’Ambrosio é jornalista pela USP, mestre em Artes Visuais pela Unesp, graduado em Letras (Português e Inglês) e doutor em Educação, Arte e História da Cultura pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e Gerente de Comunicação e Marketing da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE