O drama da solidão, por Oscar D’Ambrosio

Há filmes que maravilham por erguerem perguntas sobre o significado da vida. Isso pode ser feito de maneira complexa, com horas de duração e complexos personagens ou por meio de um curta metragem, numa história aparentemente simples. A segunda vertente é a do filme húngaro ‘Chuchotage’ (‘Cochicho’).

Durante um evento empresarial em Praga, dois intérpretes simultâneos, em sua cabine, sabem que traduzem as palestras do húngaro para o inglês apara um ouvinte, sem saber sexo ou aparência. Começa então um jogo entre os dois para descobrir quem é e como encantar essa pessoa.
Premiado, elogiado e indicado para o Oscar 2019, o curta nos entrega muito mais do que parece oferecer num primeiro momento. A disputa verbal entre os dois profissionais para conquistar a atenção de seu único ouvinte revela muito das capacidades e incapacidades humanas de lidar com aceitações e rejeições.
O curta traz à tona uma questão tão essencial quanto esquecida: a solidão. Ela vem da carência de verdade nas relações humanas. Vem ainda dos discursos falsos daqueles que pregam o amor entre as pessoas quando, na verdade, pensam apenas em si mesmos. ‘Cochicho’ não traz muita esperança, mas resgata o valor do encantamento das palavras.   
Oscar D’Ambrosio é jornalista pela USP, mestre em Artes Visuais pela Unesp, graduado em Letras (Português e Inglês) e doutor em Educação, Arte e História da Cultura pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e Gerente de Comunicação e Marketing da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE