Novo tratamento breca a miopia em crianças

A pandemia aumentou em 80% o tempo que o brasileiro fica conectado à internet, comparado a 2016. Em média, hoje passamos 9:29 horas/dia conectados, contra 5:14 horas/dia em 2016. É o que mostra um estudo da Hootsuite, referência em pesquisa no setor. Pior: Hoje o maior problema de saúde pública relacionado à visão é a miopia, dificuldade de enxergar à distância que está em expansão no mundo todo e tem no abuso das telas um importante fator de risco.

 

De acordo com o oftalmologista Leôncio Queiroz Neto do Instituto Penido Burnier a boa notícia é que acaba de chegar ao Brasil uma lente de contato que diminui até 55% a progressão da miopia em crianças. Por enquanto, são poucos os oftalmologistas no País com certificação para adaptar a nova lente. Queiroz Neto é um deles. A indicação ideal, comenta, são crianças de 8 a 12 anos. “Por prevenção, recentemente adaptei em um paciente de 6 anos que na primeira consulta foi diagnosticado com 4,5 de miopia”, afirma.  “Tomei esta decisão porque já é bem conhecido pela Oftalmologia que quanto antes a miopia é contraída, maior a necessidade de controlar a progressão para evitar a perda da visão na idade adulta, decorrente de doenças relacionadas à alta miopia.

 

Este foi o caso de D. P. (45) que aos 32 perdeu a visão de um olho por descolamento de retina. Ela conta que descobriu a miopia aos 3 anos quando recebeu o diagnóstico de 3 graus. Sofreu bastante com a visão porque tinha diferença de grau entre os olhos e estrabismo. Na infância usou um tampão no olho de melhor visão para não perder o outro. Mesmo assim atingiu 19 graus de miopia quando sofreu o descolamento de retina aos 32 anos. “Perder um olho é muito traumático mesmo quando você não enxerga quase nada com ele. O impacto psicológico do descolamento de retina foi grande. Tive de abandonar a profissão e hoje trabalho como cuidadora de idosos. Tenho duas filhas e não posso me entregar”, conclui.

 

Queiroz Neto alerta que na pandemia o confinamento somado à substituição das aulas presenciais pelo ensino online faz a miopia passar despercebida pelas mães e crianças porque só a visão de perto é exigida. O problema é que cada hora adicional de conexão à internet aumenta a predisposição das crianças à miopia que geralmente aparece até a idade de 10 anos quando o olho completa seu desenvolvimento.  Por isso, nesta fase o excesso de esforço visual para perto provoca stress nos músculos ciliares que respondem pela alternância de foco para as várias distâncias e pode deixar a focalização acomodada só para perto.

 

Prevenção

O especialista explica que o olho sofre duas alterações relacionadas à miopia. Uma é a perda do formato esférico da córnea, lente externa, que se torna mais curva que o normal. Por isso, invés das imagens se formarem na retina, se formam na frente e tudo o que está distante fica desfocado.

 A outra é o crescimento acima do normal do comprimento axial, distância entre a parte da frente e o fundo do olho, que fragiliza a retina. Quanto mais alta a miopia, maior é o comprimento axial que aumenta em 30% o risco de descolamento de retina, 57% de maculopatia miópica, 21% de catarata subcapsular e 20% de glaucoma.

 

Queiroz neto explica que o formato da lente convencional para correção da miopia é diferente do formato da retina.  Por isso, enquanto a porção central da lente focaliza as imagens na mácula, porção central da retina responsável pela visão de detalhes, a periferia projeta a imagem atrás da retina e isso estimula o crescimento do olho.

“A nova lente corrige este problema através de dois arcos na periferia que projetam a imagem periférica na frente da retina. Esta alteração na engenharia da nova lente controla o crescimento do olho e a progressão da miopia”, afirma.

 

O oftalmologista ressalta que tratamento preventivo pode ser reforçado com 15 minutos diários de sol. Isso porque, a radiação UV (ultravioleta) emitida pelo sol fortalece a esclera, parte branca do olho, e dificulta a alteração na curvatura que faz as imagens se formarem na frente da retina. “O sol também ajuda a regular o crescimento do olho porque estimula a produção de dopamina, hormônio do bem-estar, essencial neste monitoramento.

Outras dicas do especialista são: orientar as crianças a olhar para pontos distantes com frequência quando estiverem navegando na internet, piscar mais intercalar o uso dos equipamentos com outras atividades sempre que possível. “Depois do início da alfabetização o ideal é que toda criança passe anualmente por uma consulta oftalmológica, principalmente com os novos riscos da vida digital”, conclui.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE