Nova dramaturgia menos beijos e abraços

 Nova dramaturgia menos beijos e abraços

Menos beijos e abraços, familiares contracenando juntos, pouquíssimos figurantes e produções gravadas em uma só locação. Essas são algumas das situações que podem se tornar regra em filmes e séries feitos durante a fase de transição entre a pandemia do coronavírus e um eventual retorno à normalidade. As atrações da TV brasileira e os melhores dramas internacionais estão na SKY TV.

Com mais de três meses de quarentena passados no Brasil, entidades e produtoras do audiovisual já discutem um retorno de gravações de séries e filmes roteirizados. Assim como já aconteceu em outros países, um protocolo de segurança e saúde no trabalho audiovisual foi lançado no último dia 12. No exterior, séries como “The Witcher”, gravada no Reino Unido, a italiana “Suburra”, ambas da Netflix, e a francesa “Voltaire, Mixte”, da Amazon Prime Video, já anunciaram que vão retomar suas atividades.

O protocolo brasileiro foi elaborado pela Associação Brasileira de Produção de Obras Audiovisuais (Apro), pelo Sindicato da Indústria Audiovisual do Estado de São Paulo (Siaesp) e pelo Sindcine, Sindicato dos Trabalhadores na Indústria Cinematográfica e do Audiovisual dos Estados de São Paulo, Rio Grande do Sul, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, Tocantins e Distrito Federal.

O documento prevê uma transição em três fases. Na intermediária, de flexibilização, gravações em sets passam a ser permitidas conforme regras e condutas específicas que incluem distanciamento mínimo de 1,5 metro, pausas regulares para higienização da equipe e redução de deslocamentos.

O protocolo ainda dá orientações sobre como devem ser feitos os roteiros durante este período: beijos, abraços e demais contatos físicos devem ser evitados, assim como a presença de muitos personagens em uma cena só ou em locais pequenos e sem ventilação. Também se aconselha a contratação de famílias reais para o elenco.

Presidente da Apro, Marianna Souza espera que o protocolo permita a retomada de gravações já em julho, apesar dos números de infecção do coronavírus não darem trégua no Brasil. Até às 13h de domingo (28), o número de casos confirmados de Covid-19 no país chegava a 1.323.069, com 57.174 mortes, segundo o boletim do consórcio de veículos de imprensa.

Relacionados