NO: UFSCar ajuda alunos da Rede Municipal

A Prefeitura de Nova Odessa, por meio da Secretaria de Educação, está iniciando uma parceria com a UFSCar (Universidade Federal de São Carlos) para realizar no Município um projeto de recuperação de alunos, para adquirir leitura e escrita. A universidade possui um software e vai capacitar professores e coordenadores novaodessenses para implantar o projeto com os alunos em dificuldade de aprendizado na idade pedagógica correta.

A secretária de Educação Claudicir Brazilino Picolo iniciou as tratativas em reunião na última quinta-feira, dia 3, com a primeira-dama e presidente do Fundo Social de Solidariedade, Andréa Souza, além de Ieda Helena Faganello, que morava em Nova Odessa e trabalha na UFSCar, sendo responsável por intermediar o assunto, e a professora Deisy das Graças de Souza, docente do Departamento de Psicologia da UFSCar e responsável pelo projeto.
“Será desenvolvido com os alunos com dificuldade de aprendizagem em leitura e escrita no período adequado”, resume Claudicir Picolo. A Secretaria de Educação vai levar aproximadamente 30 pessoas, entre professores e coordenadores, para capacitação presencial na universidade federal são-carlense, que aplica a iniciativa em 8 municípios do Brasil. “Agora estará sendo desenvolvida em Nova Odessa, pelo núcleo de pesquisa da UFSCar”, acrescenta a secretária de Educação.
A professora Deisy de Souza é graduada em Psicologia e tem no currículo mestrado e doutorado, além de estágio de pós-doutorado. A docente tem realizado em sua carreira investigações nas áreas de Psicologia e Educação Especial, com interesse em aprendizagem relacional, função simbólica, aquisição de leitura e escrita, análise e programação de condições de ensino e compreensão auditiva por usuários de implante coclear.
O programa é um tipo de ‘recuperação informatizada’, todo desenvolvido através do computador. A UFSCar tem a gestão de um software e irá capacitar os professores novaodessenses que lidam com a recuperação de alunos. “?? interessante fazer uso de tecnologia atraente para as crianças, a favor da aprendizagem”, ressalta Claudicir Picolo. A secretária destaca que, além de buscar atenção e foco dos alunos, o projeto melhora a autoestima, porque deixarão de se sentir ‘excluídos’ dos colegas.
Para a presidente do Fundo Social de Solidariedade, Andréa Souza, a iniciativa pioneira na região traz benefícios na vida estudantil e também familiar dos jovens. “São crianças com 6 ou 7 anos de idade, que não adquiriram escrita e leitura como deveriam na idade recomendada”, descreve. “A professora Deisy e a Ieda estão de parabéns, junto da Claudicir, por trazerem esse programa maravilhoso de ensino eficaz na recuperação dos alunos”, finaliza.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE