Museu Mazzaropi, boa pedida pro Oscar

O frenesi causado pela 89ª edição do Oscar, mais importante prêmio do cinema mundial, agita o universo dos amantes da sétima arte. Enquanto na Califórnia atores, diretores, roteiristas e profissionais ligados ao ramo são prestigiados, na cidade de Taubaté, no interior de São Paulo, o Museu Mazzaropi se propõe a manter viva a memória de um dos principais expoentes do cinema nacional.
 Idealizado na década de 90, o espaço reúne mais de 20 mil itens sobre a vida e a obra do cineasta e comediante, como fotos, documentos, filmes, objetos cênicos, móveis e equipamentos. Em 2000, foi criado o Instituto Mazzaropi, cujo objetivo é preservar e divulgar a história e o trabalho do artista. A propriedade onde fica o Museu também ajuda a contar a história de Mazzaropi ???ali funcionavam os estúdios da Pam Filmes, produtora e distribuidora das obras de Amácio Mazzaropi.   O Museu Mazzaropi é um dos maiores museus privados do Brasil, com mais de mil visitantes por mês, entre estudantes de ensino médio e de cinema e profissionais da área de cultura. O museu fica aberto de terça à domingo, das 8h30 às 12h30, sendo que a bilheteria fecha às 12h. Os ingressos custam R$ 6 para estudantes e R$ 11 para adultos. Idosos o crianças de até 7 anos de idade têm entrada gratuita. SERVI??Owww.museumazzaropi.org.brEstrada Municipal Amácio Mazzaropi, 249 – Taubaté, São PauloTelefone: (12) 3634-3447Horários: terça a domingo, bilheteria das 8h30 às 12h, permanência no museu até às 12h30. Fechado às segundas-feiras.Preços: R$ 6 (estudantes) e R$ 11 (adultos); idosos e crianças de até 7 anos de idade têm entrada gratuita.Agendamento para grupos: qualquer pessoa, responsável pelo grupo, pode agendar pelo email [email protected] ?? preciso enviar: nome da instituição, telefone, número total de visitantes, faixa etária do grupo, data e hora pretendida. Este serviço depende da disponibilidade de agenda. Sobre Amácio Mazzaropi Amácio Mazzaropi, nascido em 1912, começou a vida artística no teatro caipira aos 15 anos de idade, pintando cenários. Pouco depois, largou o pincel e seguiu como ator, assim como suas grandes inspirações da época: os atores Genésio e Sebastião de Arruda. Ele fez turnês em circos, teatros, recitou monólogos dramáticos. Em 1946, assinou contrato na Rádio Tupi, onde ficou por 8 anos. Mazzaropi também passou pela TV Excelsior, onde participou de um programa de sucesso da época, apresentado por Bibi Ferreira, o Brasil 63. Em 1950, estreou na TV Tupi de São Paulo, aos 38 anos de idade. Quatro meses depois, em 1951, foi ao Rio de Janeiro inaugurar o canal 6 também pela TV Tupi. O primeiro filme em que atuou foi o Sai da Frente, de 1952. E, após realizar seu último longa-metragem pela Cinedistri, Chico Fumaça, de 1956, o cineasta abriu a própria produtora, a PAM Filmes – Produções Amácio Mazzaropi. A primeira produção foi o Chofer de Praça, de 1958, a inauguração oficial de seu negócio. Foram feitas mais 25 obras, praticamente uma por ano, até 1980. Todas voltadas para o humor, peça fundamental do trabalho do artista. Para ele, a função do cinema era divertir o público.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE