Mulheres devem ter nova cota nas eleições 2022

O texto que sairá da comissão especial que analisa proposta que proíbe eleições próximas a feriados (PEC 125/11) deverá incluir itens para garantir mais participação de mulheres na política. Apesar de o tema inicial tratar da questão dos feriados, o objetivo é que, ao final, a proposta faça uma reforma eleitoral.

A relatora, deputada Renata Abreu (Pode-SP), afirmou, em audiência da comissão especial realizada nesta quarta-feira (2), que tem conversado com os partidos sobre a inclusão de itens a respeito da participação feminina na política. Um percentual de cotas para mulheres deverá ser colocado.

“Eu tenho conversado com todos os partidos e está bem consensual que nós temos o dever de aumentar e deliberar sobre isso na PEC. Eu acredito que nós vamos conseguir avançar nesse tema”, disse a relatora. “É claro que o debate do percentual é sempre uma grande discussão, porque naturalmente que nós gostaríamos de ter uma participação expressiva, ainda maior. Nós precisamos fazer o que é possível de se aprovar aqui.”

Na audiência, o ex-ministro do TSE Joelson Dias defendeu que a via legislativa é a adequada para garantir espaço político às minorias.

“Do mesmo jeito que o texto normativo um dia justificou a escravidão, justificou a dependência das mulheres dos seus maridos, dos seus pais, tolhendo os seus direitos, do mesmo jeito que o texto normativo também tornou incapazes as pessoas com deficiência, afirmou a sua incapacidade civil absoluta, só a legislação poderá garantir agora a maior e efetiva participação política e representatividade desses segmentos”, disse.

A representante do Movimento Círculo Palmarino, Ana Mielke, destacou que apenas 15% da Câmara Federal é composta por mulheres, sendo 2% mulheres negras, e somente em 2018 foi eleita a primeira mulher indígena, a deputada Joenia Wapichana (Rede-RR).

Mielke defendeu que a Câmara crie uma cota não de candidaturas, como é hoje, mas de assentos nas câmaras e assembleias, e também nos poderes Judiciário e Executivo, com mais mulheres, por exemplo, nos comandos dos ministérios. E com um percentual expressivo.

“A gente não tem como partir de um número que seja inferior a esses 15% sem essas cotas nos assentos e pensando na possibilidade de ampliação dessas cotas por pelo menos 30% dos assentos nas câmaras legislativas. Mas, para além das câmaras legislativas, eu acho que a gente precisa pensar isso também pros outros poderes”, propôs.

 

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE