Edit

Motorista de aplicativos precisa recolher imposto

O volume de pessoas que trabalham como motoristas em aplicativos como Uber e 99 POP cresce todos os dias. E o perfil é bem variado – desde pessoas que possuem um emprego e conseguem dirigir fora do horário de trabalho para ganhar um dinheiro extra até aposentados que buscam um fonte extra para complementar a aposentadoria, ou até mesmo a atividade principal de alguém.
Acontece que todas essas pessoas precisam também prestar contas com o leão – lembrando que estão obrigadas a enviar a declaração do Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF) quem tiver rendimentos que ultrapassem o valor de R$ 28.559,70 – ou seja, quem usa app de transporte como motorista também está dentro.
Marcílio Nascimento, Gerente Geral do Contabfácil, ferramenta online que trata de toda a contabilidade de empresas do Simples Nacional, Profissionais Liberais e MEIs, explicou como fica para estes novos motoristas no tocante aos impostos:
Primeiro Cenário: Pessoa Física utilizando carro de aplicativo Quem é pessoa física e utiliza Uber, 99 POP ou qualquer outro app de veículo e ultrapassa o limite de R$1900 reais por mês precisa administrar esse ganho. Passando deste valor, este motorista tecnicamente precisa pagar imposto quando for a única fonte de renda dele enquanto pessoa física. Se este motorista possui uma outra fonte de renda, é preciso adicionar este rendimento no cálculo mensal de imposto dele e fazer o recolhimento por conta própria com o chamado Carnê Leão, que é uma DARF gerada por ele mesmo em que ele descreve quanto ele recebeu e quanto pagou de INSS:
“Em função destes dados, ele mesmo realiza o cálculo do imposto dentro da tabela em que se enquadra. Ao chegar no valor que há obrigatoriedade em se pagar o imposto, gera uma guia e paga no banco. Este é o recolhimento antecipado pelo Carnê Leão, ou seja, o modo correto dentro deste cenário. Dentro do universo de pessoas que deveriam fazer este procedimento, eu acredito que menos de 5% fazem corretamente. Muita gente nem faz este recolhimento e o controle por parte do Governo deixa a desejar” explica Marcílio Nascimento.
Segundo Cenário: Pessoa Jurídica utilizando carro de aplicativo Ser motorista de app como pessoa jurídica traz muitas vantagens, mas é preciso que o motorista tenha uma empresa antes de tudo. Uma vez criada a empresa, Marcílio explica que aumenta o suporte dos limites de renda: Se a pessoa física tinha o limite de R$1900 por mês, o cenário muda quando ele se torna MEI.
O limite aumenta para mais de R$6 000 por mês como pessoa jurídica. Se este trabalho for a única fonte de renda dele, o ideal é ter esta mentalidade de abrir uma empresa por diversos motivos: – No sentido fiscal, o profissional passa a estar regularizado- Do ponto de vista tributário paga menos impostos- Não tem riscos fiscais e nem de receber alguma autuação no futuro- Terá uma formalização desta renda, muito útil para a declaração de imposto no ano seguinte.
“Quando se tem uma empresa, este ‘novo empresário’ motorista precisa mudar a mentalidade e ter consciência de que agora tem um CNPJ. Vai ter vantagens e vai precisar de serviços de contabilidade como informes de rendimentos, por exemplo. ?? um passo adiante.” conclui Marcílio.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE