Modelos. Negra e julgamento na rede e Trans revela planos

Vestir uma lingerie, ir para a frente do espelho e se sentir linda, desejável e poderosa, é o que a maioria das mulheres querem, estar bem com a autoimagem e se sentir bem na própria pele, sem a pressão e a imposição de padrões de beleza da sociedade.

A sensualidade e o poder feminino sempre foram reprimidos em uma sociedade onde até pouco tempo, mas estamos mudando isso. Algumas décadas atrás, as mulheres eram criadas para servir aos homens e conseguir “bons” maridos, mas esta visão retrógrada está caindo por terra e eu realmente acredito que um ensaio sensual é uma prática afirmativa, de que sim somos mulheres e nosso corpo é para o nosso bel prazer.”

Em uma sociedade onde o corpo magro, branco e sem imperfeições é colocado como padrão de beleza, não é fácil se sentir bonita. Por isso, a modelo e ex-coelhinha da Playboy Priscila Matias acredita que ensaios sensuais são uma forma de empoderamento: “a sensualidade pertence à mulher e ela usa como bem entender. O poder feminino não pode mais ser negligenciado só pelo receio que algumas possam ter de serem taxadas pela sociedade ultraconservadora. O meu objetivo é de elevar a autoestima das mulheres e ajudá-las a se empoderar a mostrar que elas também podem fazer as pazes com o espelho e se sentirem lindas.”

Priscila também acredita que os ensaios sensuais hoje são um pronunciamento contra o machismo: “chega da mulher negar a própria sensualidade para agradar a um falso recato imposto pelo machismo. Não é porque a mulher é sensual que ela é ‘fácil’. A sensualidade da mulher e a força feminina dela não pertence ao homem e sim a si mesma. O que muitos julgam vulgar ou fútil, na verdade é um ato afirmativo de empoderamento. A mulher, assim como o homem, pode ser tudo que quiser e não precisa se reprimir porque a sociedade diz que ela tem que ser de um outro modo.” https://www.instagram.com/primmatias/

 

FABÍOLA VOGUEL REVELA PLANOS PARA A RETOMADA

Ela conta que contou com o apoio de um crush nas noites de medo.

Em tempos de quarentena, a modelo trans Fabíola Voguel tem ficado em casa. Ela confessa que ficou deprimida com tudo que está acontecendo e encontrou na leitura um apoio.

“Fiquei depressiva, sem apetite e sem expectativa. Estava bem assustada com o que estava por vir. Ai no meio dos dias comecei ler livros, assisti muito filme e seriados, estudei um pouco, coloquei novas metas a serem alcançadas”, disse a musa.

Ela relata que não está sozinha durante o distanciamento social.

“Tive o apoio de um crush nas noites de medo e de tristeza. Ele estava ao meu lado entre um um vinho um e um bom papo”, revela Fabíola, que tem novas metas de vida para depois que o surto acabar e está ansiosa para colocá-los em prática.

“Eu determinei novas metas para minha vida. Com fé em Deus, quando tudo voltar ao normal, tenho certeza que serei uma nova pessoa. Afinal, muitas coisas nos deixam mais fortes. Tenho certeza que o amor, o carinho e o afeto vão ser maior após tudo isso passar. Quero viajar, conhecer o mundo”.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE