Ministério da Saúde fica em primeiro lugar no nível de confiança

A demissão anunciada, mas não concretizada de Mandetta, não encontra amparo na opinião dos internautas brasileiros. O Ministério da Saúde é a instituição, entre mais de 20 pesquisadas, em que os brasileiros mais confiam na epidemia de coronavírus: 51% das pessoas o escolhem entre as 5 mais confiáveis. Junto ao Ministério encontram-se hospitais (40%) e Secretarias de Saúde (37%).

Já apenas 14% listam o Ministério da Saúde entre as 5 que menos confiam, número que sobe a 42% no caso do Presidente da República, em quem 32% dizem confiar. Com um saldo negativo de confiança entre a população, Bolsonaro incomoda-se com a popularidade de Mandetta, mas não pode demiti-lo, ao menos durante a pandemia.

A iniciativa da quarentena, recomendada pelo Ministério da Saúde e implantada pelos governadores dos estados também tem apoio da população online. Uma maioria de quase 70% apoia a quarentena como está hoje ou sugere que seja ainda mais radical: 40% acreditam que a restrição de circulação de pessoas foi a melhor decisão e 28% apoiam fechar tudo imediatamente e deixar toda a população em quarentena. Apenas 29% apoiam o isolamento vertical defendido pelos Bolsonaristas, ou seja, deixar apenas os mais vulneráveis isolados; 3%, ainda, acham que tudo deveria voltar ao normal.  Não por acaso, entre os que confiam no Presidente, estes últimos números crescem: 40% apoiam o isolamento vertical e 5% acham que tudo deveria voltar ao normal.

A pesquisa Opiniões Covid-19, conduzida pela Perception em parceria com a Engaje! e a Brazil Panels, entre os dias 1 e 3 de abril, mostra um panorama de confiança em relação a importantes agentes na luta contra a disseminação do Covid-19 e no pódio da confiança estão Ministério da Saúde (51,36%), família, amigos e comunidade (47,97%) e hospitais (39,66%). São as opiniões dos brasileiros, cuja maioria, estava na primeira quinzena de isolamento.

 

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE