Micro e pequenos empresários mais confiantes

O Indicador de Confiança dos micro e pequenos empresários de varejo e serviços (MPEs) calculado pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) registrou 52,5 pontos em fevereiro de 2017, sendo este o maior resultado da série histórica, iniciada em maio de 2015. Ainda assim, o número demonstra otimismo moderado: quanto mais próximo de 100 está o indicador, mais otimistas estão os empresários, e quanto mais próximo de zero, menos confiantes eles estão. 
O indicador é considerado otimista quando marca mais de 50 pontos e pessimista ao marcar menos de 50; caso marque 50, é considerado neutro. Na comparação com fevereiro de 2016, quando marcou 43,0 pontos, o indicador avançou 9,5 pontos. Já na comparação com janeiro de 2017, o aumento foi de 1,5 ponto. Em termos percentuais, a variação anual foi de 22,1% e a mensal de 2,9%.

66% dos empresários estão confiantes com seus negócios e 57% com a economia 
O Indicador de Confiança do SPC Brasil e da CNDL é composto pelo indicador de condições gerais e pelo de expectativas. Eles são baseados nas avaliações dos micro e pequenos empresários com relação às condições gerais da economia e do ambiente de negócios, além das expectativas para os próximos seis meses tanto para a economia quanto para as empresas. 
Em fevereiro de 2017, o subindicador de expectativas registrou 65,4 pontos, 10,9 a mais do que o mesmo período do ano passado, quando marcou 54,5. Por outro lado, o subindicador de condições gerais permanece abaixo do nível neutro: foram registrados 35,2 pontos, um aumento de 7,5 pontos na escala em comparação a fevereiro de 2016. 
Em termos percentuais, 66% dos empresários disseram estar confiantes com seus negócios, contra 11% que não estão. Entre os confiantes, 34% têm o sentimento de que as coisas irão melhorar, mas não sabem ao certo por que estão confiantes, 30% afirmam estar fazendo boa gestão do negócio e 13% dizem que a economia está dando sinais de melhora. Entre os pessimistas, 55% dizem que a crise econômica pode continuar, 17% afirmam que as vendas foram tão afetadas que não conseguem mais se recuperar e para 13% a procura de seus produtos não vai aumentar pelo fato de ser considerado supérfluo. 
Com relação ao futuro da economia, 57% estão otimistas, sendo que 45% novamente não sabem explicar o motivo do otimismo, apesar de estarem com o sentimento, 21% dizem que indicadores econômicos apresentam sinais de melhora e 17% afirmam que a crise política será resolvida. 16% afirmam estar pessimistas, sendo que 35% têm este sentimento em razão de incertezas políticas, 23% acreditam que os problemas econômicos são graves e 20% dizem que as vendas ainda estão caindo. 
Na avaliação dos últimos seis meses, 61% dos entrevistados consideraram que a economia piorou, contra apenas 13% que observaram alguma melhora. Com relação aos próprios negócios, 49% consideraram que houve piora e 17,5% entenderam que houve melhora. No entanto, o índice permanece abaixo do nível neutro. 
Metade dos empresários acreditam em aumento no faturamento para os próximos seis meses 
Metade dos micro e pequenos empresários de varejo e serviços esperam que o faturamento cresça nos próximos seis meses (51%), enquanto 35% dizem que o faturamento não irá se alterar e 8% alegam que irá cair.

“Apesar de positivos, os dados devem ser vistos com cautela, já que ainda há tensão política e riscos à recuperação econômica. A consolidação da confiança e a retomada do crescimento dependerão, entre outras variáveis, do sucesso das reformas propostas pelo governo”, completa Honório Pinheiro, presidente da CNDL.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE