Meteorito que caiu em Pernambuco fará parte do Museu Nacional

No dia 19 de agosto, uma “chuva de pedras” atingiu a cidade de Santa Filomena, no interior de Pernambuco. O acontecimento chacoalhou a vida os moradores da pequena cidade, que tem menos de 15 mil habitantes. O fenômeno logo chamou a atenção de pesquisadores brasileiros que foram até o município e acabaram constatando que se tratava de uma chuva de meteoritos.

Um dos vários pedaços do meteorito encontrados fará parte do acervo do Museu Nacional, no Rio de Janeiro. A peça pesa em torno de 40 quilos e sua grande importância histórica e científica se deve ao fato de ser um meteorito do tipo condrito, ou seja, ele nunca se modificou desde a formação do sistema solar, há cerca de 4,5 bilhões de anos. Além disso, é o maior pedaço de meteorito já encontrado no Brasil.

O que aconteceu em Santa Filomena não é tão raro como podemos imaginar. Chuvas como essa ocorrem corriqueiramente no Brasil. No entanto, é muito difícil que os fragmentos sejam encontrados, já que geralmente os meteoritos caem em áreas afastadas. Como nesse caso o fenômeno aconteceu dentro da cidade, chegando a atingir telhados de casas, a busca pelos objetos ficou muito mais fácil, para a sorte dos cientistas e dos aficionados por astronomia.

Além dos pesquisadores da Universidade Federal do Rio de Janeiro, responsáveis pelo acervo do Museu Nacional, os meteoritos também atraíram diversos curiosos e entusiastas até Santa Filomena. Alguns moradores até venderam fragmentos das rochas espaciais, por valores que chegavam a R$40 a grama. Esse interesse aumentou o número de pessoas buscando os pedaços e fez com que muito mais amostras fossem encontradas. Até o fim de agosto, cerca de 200 fragmentos já haviam sido descobertos.

A peça que irá para o Museu Nacional, encontrada por um morador do município, foi amplamente cobiçada por estes amantes da astronomia. Um norte-americano chegou a oferecer cerca de 120 mil reais pelo item.

Devido à alta cobiça, alguns moradores da cidade já se movimentam para deixar pelo menos um grande pedaço do meteorito em exibição pública, considerando este um importante episódio para a história da região.

Além da chuva de meteoritos de Santa Filomena, outras chuvas de meteoros aconteceram no mês passado. A maior delas, infelizmente, não pode ser vista a olho nu no Brasil, por conta do horário. No entanto, aqueles que possuem um telescópio, que permite a observação de corpos celestes a distâncias gigantescas, puderam contemplar o fenômeno na última semana do mês.

Nem todas as cidades atingidas por meteoritos ficam com boas histórias para contar após o acontecimento. Em 2013, uma chuva mais violenta do que a registrada em Pernambuco deixou 500 pessoas feridas e causou pânico nos moradores de Ecaterimburgo, cidade localizada na Rússia.

 

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE