‘Matthew’ mata mais de 800 no Haiti

(Reuters) – O furacão Matthew matou mais de 800 pessoas e desabrigou dezenas de milhares em sua passagem pelo Haiti nesta semana, antes de se abater sobre a Flórida nesta sexta-feira, deslocando-se com ventos uivantes na direção norte da costa do Atlântico dos Estados Unidos.
O número de mortos no Haiti, país mais pobre das Américas, subiu para ao menos 842 nesta sexta-feira devido ao recebimento de informações de áreas remotas e anteriormente isoladas pela tempestade, de acordo com cálculo da Reuters a partir de números de vítimas informados por autoridades.
O Matthew, ciclone mais forte a atingir os EUA desde que a poderosa tempestade Sandy golpeou o nordeste do país quatro anos atrás, motivou retiradas em massa ao longo da costa da Flórida, através da Geórgia e até a Carolina do Sul e a Carolina do Norte.
O presidente dos EUA, Barack Obama, incitou as pessoas a não ficarem complacentes e seguirem instruções de segurança diante da tempestade, que pode ser a mais severa a se lançar sobre o norte da Flórida em mais de 100 anos.
???Só quero enfatizar para todos que esse ainda é um furacão realmente perigoso, que existe potencial para o aumento da tempestade, perda de vidas e danos severos a propriedades???, disse Obama a jornalistas após encontro com autoridades de gestão de emergências.
O Matthew percorreu a península ocidental do Haiti na terça-feira com ventos de 233 quilômetros por hora e chuva torrencial. Cerca de 61.500 pessoas estavam em abrigos, segundo autoridades, após a tempestade levar o mar até vilarejos costeiros e frágeis, alguns dos quais só estão sendo contatados no momento.
Ao menos três cidades nos montes e na costa da parte ocidental do Haiti anunciaram dezenas de mortos, incluindo a aldeia agrária de Chantal, cujo prefeito disse que 86 pessoas morreram, principalmente quando árvores atingiram casas. Ele disse que outras 20 estão desaparecidas.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE