Mas, afinal, o que é arte?

Tanto se fala de arte, mas muitas vezes não se respira um pouco para refletir sobre o que ela significa. De modo geral, pode ser entendida como uma interpretação da vida, entendendo esta como aquilo que consideramos ser real e verdadeiro.

Dessa maneira, a arte se relaciona a diversos outros fatores, como religiosos (esculturas do Egito Antigo ou da Grécia clássica), políticos (stalinismo na URSS), sociais (predomínio da burguesia no Romantismo) e simbólicos (evangelistas associados a animais na decoração das igrejas católicas medievais, por exemplo).
Para um objeto ser artístico, ultrapassa o utilitário, ou seja, o seu uso prático, introduzindo a pessoa em outras esferas, as do prazer. Isso significa que, além de satisfazer um ou mais dos cinco sentidos (visão, audição, olfato, paladar e tato), o espírito (a inteligência), dialoga com o coração (a emoção).
Os estilos artísticos, nesse contexto, estão intimamente relacionados a uma época (tempo), lugar (país ou região), estrutura social, econômica, religiosa e política e à personalidade do artista.
No entanto, além disso, para a análise da obra de arte, podem ser seguidos alguns critérios. Um deles é o assunto, ou seja, aquilo que a obra enfoca. Existe em todas as modalidades artísticas, mesmo na arte abstrata, na qual o assunto é o próprio fazer artística.
Quando se pensa na expressão, o que está em jogo é a maneira de interpretar um assunto. Depende muito da personalidade do criador e se relaciona intrinsecamente ao aspecto da obra e a intenção do artista.
As questões puramente formais são desenvolvidas graças a vários recursos, como proporções (podem ser mais ou menos realistas; contornos (mais ou menos delineados; linhas (traços finos ou amplos; e cores, que podem ser primárias (vermelho, azul e amarelo), secundárias (verde, violeta, laranja) ou neutras (branco, preto, cinza, bege, marrom); e quentes (vermelho, amarelo, laranja) ou frias (verde, azul e violeta). As cores têm ainda tom (brilho ou intensidade) e apresentam valor (claro ou escuro).
A unidade estética pode ainda ser avaliada em função de três critérios: harmonia (repetição de motivos, como figura, direção dos traços e cores predominante; ritmo (repetição regular de um motivo, como traços verticais ou cores em intervalos regulares), e equilíbrio (axial ou simétrico, quando há reprodução dos mesmos motivos, sejam figuras ou cores, em proporções iguais de um lado e de outro de uma linha imaginária) ou assimétrico (formas, dimensões e cores diferentes se organizam sem proporções simétricas).
Com todas essas variáveis em jogo, é bem compreensível vislumbrar as dificuldades de se fazer e de se analisar a arte. Se o artista lida com a distância entre aquilo que o mundo é e o que poderia ser; e entre o que deseja e o que consegue fazer; o público lida com o agradável desafio de, ao conhecer um trabalho, utilizar seus recursos emocionais e racionais para fazer a sua própria leitura.
Vamos [email protected] mergulhar nesse processo?
Oscar D’Ambrosio é jornalista pela USP, mestre em Artes Visuais pela Unesp, graduado em Letras (Português e Inglês) e doutor em Educação, Arte e História da Cultura pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e Gerente de Comunicação e Marketing da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE