Marido de Joice aparece e fala que a tratou em casa

O marido de Joice Hasselmann, o neurocirurgião Daniel França, deu entrevista ao bolsonarista Oswaldo Eustáquio na tarde desta sexta-feira (23) e falou pela primeira vez sobre o ocorrido com a mulher dele no apartamento em Brasília. Ela levou uma surra no final de semana passado mas não conseguiu identificar o autor.

Joice alega que sofreu um “atentado”. Conta que ficou desacordada por 7 horas e despertou na madrugada do domingo passado numa poça de sangue com várias várias fraturas pelo corpo.

O que França relatou a Eustáquio:

Tudo que tinha para ser falado já foi falado pela Joice, eu fui orientado a não entrar em detalhes sobre isso porque vou prestar um depoimento à Polícia Legislativa muito provavelmente amanhã [sábado, 24]. Então primeiro eu queria conversar com a Polícia Legislativa e depois eu posso publicizar qualquer coisa.

A única coisa que me passa pela cabeça é o seguinte: ou ela perdeu a consciência por algum motivo e caiu, ou a consciência dela foi tirada e depois ela teria sido teoricamente agredida, porque realmente não há nenhum sinal de luta. Eu sou neurocirurgião, conheço as coisas, e não há sinal de luta, ela não reagiu.

Não escutei [qualquer barulho] porque não estava naquele quarto. Eu ronco, então muitas vezes vou dormir em outro quarto para preservar o sono dela. Acordei com ela me telefonando, o telefone tocou, eu estava dormindo profundamente e nem atendi, eu vi que ela estava ligando, saí e a encontrei no chão.

[Acidente] de automóvel não, porque a gente não saiu de casa, a gente passou o sábado em casa, não saímos em nenhum momento. Outra coisa, o tipo de lesão que um acidente de automóvel causa é diferente. Desde o acontecido a gente não voltou para São Paulo, eu que tive que vir para o Nordeste porque tenho cirurgias para fazer aqui e estou voltando para Brasília amanhã.

Passei o tempo todo com ela para cuidar e ver as reações aos remédios e quando eu vi que ela estava melhorando, que os anti-inflamatórios estavam fazendo efeito e ela não tinha apresentado nenhum outro sinal de alerta, eu fiquei mais tranquilo. 

Ela não foi atendida no hospital para o tratamento imediato das lesões. Isso eu fiz em casa. Ela foi para o hospital na terça de manhã para começar a fazer os exames e estava neurologicamente intacta do ponto de vista que o exame neurológico estava normal, consciente, orientada e falando normalmente.

Eu sou especialista em neurotraumatologia e então avaliei que se ela tivesse apresentado algum sinal, alguma hemorragia, a gente levaria para o hospital. Como não apresentou, eu preferi tratá-la em casa para que ela melhorasse, porque ela estava com muita dificuldade de se locomover.

Chego em Brasília nessa madrugada e amanhã já terei ido na polícia, estou muito focado nessa questão do acompanhamento dela, estou o tempo todo em contato com todos os médicos que estão cuidando dela, não me foquei nessa parte investigativa.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE